0

TPI investiga possíveis crimes cometidos contra palestinos

Ação analisará atos de Israel e Hamas desde o conflito de 2014

3 mar 2021
12h50
atualizado às 13h05
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Tribunal Penal Internacional (TPI) informou nesta quarta-feira (3) que abriu um procedimento formal para investigar possíveis crimes cometidos na Palestina. A análise começará a partir do conflito ocorrido na Faixa de Gaza, especificamente, a partir de 13 de junho de 2014.

Segundo a procuradora-geral, Fatou Bensouda, há "uma base razoável" para acreditar que foram cometidos crimes por parte das forças de Israel, das autoridades de Tel Aviv, do grupo Hamas e das facções armadas palestinas durante os combates. A representante acrescentou que a ação "será independente, imparcial e objetiva, sem medo ou favor".

Bensouda agora informou que o próximo passo será analisar se as autoridades israelenses e palestinas têm investigações próprias e acessá-las para verificação.

"No fim, nossa preocupação central deve ser pelas vítimas dos crimes, tanto palestinas como israelenses, decorrentes do longo ciclo de violência e insegurança que causou profundo sofrimento e desespero em todos os lados", acrescentou.

Israel já havia se manifestado contrariamente a uma investigação, mas o país não faz parte dos membros do TPI. Após o anúncio, o primeiro-ministro do país, Benjamin Netanyahu, disse que a nação "está sob ataque" e que a investigação "tem como base o antissemitismo e a hipocrisia".

Por outro lado, a Autoridade Nacional Palestina (ANP) comemorou a abertura da investigação em Haia. "É um passo longamente esperado e que se alinha à incessante busca palestina por justiça e responsabilidade, pilares indispensáveis da paz que o povo palestino busca e merece", disse o órgão em nota repercutida pela mídia palestina.

A confirmação da investigação vem cerca de um mês depois do TPI definir que sua jurisdição se estende pelos territórios ocupados por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, o que inclui a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e a chamada Jerusalém Oriental. .
   

Veja também:

'A melhor vacina é a disponível': Por que não se pode comparar os imunizantes contra covid-19
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade