PUBLICIDADE

Mundo

Potências europeias alertam sobre aumento da propaganda russa antes de eleições da UE

12 fev 2024 - 16h10
Compartilhar
Exibir comentários

França, Polônia e Alemanha acusaram a Rússia, nesta segunda-feira, de montar uma rede elaborada de sites para divulgar propaganda pró-Rússia para prejudicar seus governos, alertando para a disseminação em massa desse conteúdo antes das eleições da UE em junho.

As nações ocidentais já acusaram repetidamente os agentes russos de usar as mídias sociais e a Internet para disseminar informações falsas ou enganosas para prejudicá-las, promover a Rússia ou tentar influenciar a opinião pública em seus países contra o apoio à Ucrânia em sua luta contra a invasão russa.

"Estamos em um período de vulnerabilidade com as eleições europeias e, no caso da França, com as Olimpíadas", disse o ministro das Relações Exteriores da França, Stephane Sejourne, em uma coletiva de imprensa conjunta com seus colegas poloneses e alemães em um castelo francês perto de Paris.

Os ministros disseram que criaram um mecanismo conjunto para detectar e responder a possíveis ataques russos na Internet.

Eles se reuniram como parte dos esforços para revigorar a plataforma de cooperação política "Triângulo de Weimar" entre Alemanha, França e Polônia, criada em 1991.

Em uma coletiva de imprensa antes da reunião, fontes diplomáticas francesas disseram que o VIGINUM, órgão de vigilância francês que monitora a interferência digital estrangeira, identificou cerca de 193 sites que tinham como objetivo divulgar amplamente informações de fontes pró-russas, bem como de agências de notícias e instituições russas.

"O objetivo parece ser cobrir o conflito russo-ucraniano, apresentando a 'operação militar especial' de forma positiva e denegrindo a Ucrânia e seus líderes", disse um diplomata francês, referindo-se ao termo usado por Moscou para designar a invasão.

O Kremlin tem negado repetidamente as acusações de divulgação de informações falsas ou enganosas. Após as últimas eleições para o Parlamento Europeu em 2019, o Conselho de Segurança da Rússia descreveu como absurdas as alegações de que Moscou havia propagado desinformação para influenciar os eleitores.

A França, em particular, chamou a atenção para as atividades russas na África, dizendo que atores ligados a Moscou tentaram desacreditar Paris na África Ocidental, saturando a mídia regular e as mídias sociais.

"ATAQUES À NOSSA DEMOCRACIA

Isso motivou ações multifacetadas da França para reverter uma narrativa antifrancesa que prejudicou sua influência e seus interesses, inclusive com uma unidade dedicada em parte a identificar e lidar com conteúdo malicioso.

Os diplomatas disseram que, diferentemente das campanhas de desinformação anteriores, o Portal Kombat da Internet, como apelidado pela França, tem como objetivo atrair pessoas para esses sites, alguns com nomes de domínio locais, para que as informações possam ser disseminadas localmente.

"Esses são ataques à nossa democracia", disse a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, acrescentando que a União Europeia não poderia permitir que a confiança das pessoas fosse minada.

As autoridades francesas disseram que, até o momento, os sites em questão fizeram poucas incursões. Mas a preocupação deles é que, com o aniversário de dois anos da guerra da Ucrânia, as eleições na Rússia, na UE e nos Estados Unidos e os Jogos Olímpicos ocorrendo este ano, os sites estavam sendo criados para que, quando chegasse a hora, pudessem espalhar grandes quantidades de informações prejudiciais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade