0

Iraque aprova projeto de coalizão de Obama contra o EI

6 set 2014
09h47
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
O presidente americano anunciou novo envio de tropas para o Iraque após mais um jornalista dos EUA ser decapitado por rebeldes
O presidente americano anunciou novo envio de tropas para o Iraque após mais um jornalista dos EUA ser decapitado por rebeldes
Foto: Ints Kalnins / Reuters

O projeto do presidente Barack Obama de criar uma coalizão internacional contra os jihadistas do Estado Islâmico constitui uma forte mensagem de apoio ao Iraque, declarou neste sábado o ministro das Relações Exteriores iraquiano.

"Acolhemos favoravelmente o projeto", declarou Hoshyar Zebari, acrescentando que seu país pediu em várias ocasiões a seus aliados internacionais que ajudassem a fazer frente à ameaça jihadistas, não apenas para os povos do Iraque e da região, como também para a Europa, Estados Unidos e os países da Otan".

"O combate é nosso, mas precisamos de apoio porque nossa capacidade é limitada", admitiu.

Os Estados Unidos pediram na sexta-feira a nove de seus aliados a criação, antes da realização da Assembleia Geral das Nações Unidas no fim de setembro, de uma coalizão internacional para destruir o Estado Islâmico (EI).

"Não devemos perder tempo para criar uma coalizão internacional para destruir a ameaça que o EI significa", afirmaram o secretário de Estado americano, John Kerry, e o secretário de Defesa, Chuck Hagel, em um comunicado conjunto.

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha organizaram na manhã de sexta-feira, à margem da cúpula da Otan, uma reunião na qual participaram os ministros das Relações Exteriores de Alemanha, Austrália, Canadá, Dinamarca, França, Itália, Polônia e Turquia.

"Estamos convencidos de que, nos próximos dias, teremos a capacidade para destruir o EI", disse Kerry durante o encontro.

Os Estados Unidos bombardeiam desde o início de agosto o norte do Iraque para frear o avanço do EI e permitir às tropas curdas e iraquianas avançar em terra.

"Temos que atacá-los para que sejam impedidos de tomar territórios, para reforçar a capacidade das forças iraquianas, de outros na região que estão preparados para enfrentá-los, sem comprometer tropas nossas, obviamente", afirmou Kerry.

"Esta é a linha vermelha para todos, não haverá soldados em terra", declarou, acrescentando que havia muitas formas de ajudar, "treinando, aconselhando, ajudando e equipando".

Para que se torne efetiva, a coalizão, indica o comunicado, deve coordenar múltiplos aspectos: um apoio militar às Forças Armadas iraquianas, frear o fluxo de combatentes estrangeiros, contra-atacar o financiamento do EI, enviar ajuda humanitária e deslegitimar a ideologia do EI.

"O presidente Barack Obama está totalmente comprometido, há uma estratégia que a cada dia é mais clara", sustentou Kerry.

Esta estratégia global inclui a entrega de armas aos combatentes curdos, na linha de frente na batalha com os militantes do Estado Islâmico no norte do Iraque.

Estados Unidos, França e Itália já entregam armas. A Grã-Bretanha ainda não decidiu. A Alemanha, em uma guinada radical de sua política de não intervir no exterior, decidiu entregar 30 sistemas de mísseis antitanque, 16.000 fuzis de assalto e 8.000 pistolas.

Veja também:

Como funcionam as eleições presidenciais nos EUA
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade