PUBLICIDADE

Governo sírio considera "parcial" o relatório que denuncia torturas a presos

22 jan 2014 11h26
| atualizado às 11h26
ver comentários
Publicidade

O governo sírio classificou nesta quarta-feira de "infundado, parcial e politizado" o relatório elaborado por um escritório britânico que denuncia torturas sistemáticas e execuções de 11 mil detidos na Síria nas mãos das autoridades desde o início do conflito em março de 2011.

Em comunicado, o Ministério de Justiça da Síria disse que o escritório Carter-Ruck, que elaborou o documento por encomenda do Catar, está claramente vinculado "às partes hostis" à Síria.

Além disso, se queixou de que o relatório foi divulgado ontem, um dia antes do começo da convenção Genebra 2 - que visa a encerrar o conflito sírio - o que "sem dúvida demonstra que o objetivo de sua publicação é político e tem como fim solapar os esforços feitos pela paz na Síria e para acabar com o terrorismo".

"O relatório é uma mera acumulação de fotos de pessoas não identificadas, que mostra vários terroristas estrangeiros de várias nacionalidades que morreram quando atacaram postos de controle e instituições civis", afirma a nota.

Outras vítimas, segundo o Ministério, são civis e soldados que foram torturados e assassinados por "grupos terroristas armados" por seu apoio ao Estado sírio.

O regime ressaltou que o documento se baseia em uma série de instantâneas proporcionadas por alguém que fugiu da Síria e está perseguido pela Justiça do país árabe.

O relatório foi redigido por três ex-fiscais internacionais e se baseia na análise legista de 55 mil imagens digitais, que teriam sido feitas na Síria por um fotógrafo militar desertor do regime, informou ontem terça-feira o jornal britânico The Guardian.

Os autores do estudo concluem que há "provas claras, suscetíveis de serem admitidas por um tribunal, de assassinato e de tortura sistemáticos de pessoas detidas pelos agentes do governo sírio".

 

Guerra civil em fotos Conteúdo exclusivo
AFP AFP

O Terra compilou alguns dos principais materiais fotográficos disponibilizados ao longo destes mais de dois anos de guerra na Síria. Cada imagem leva a uma galeria que conta um episódio específico ou remete a uma situação importante do conflito.

Acompanhe a cobertura exclusiva do Terra através dos jornalistas Tariq Saleh e Mauricio Morales. Sediado no Líbano, Saleh conversou com sírios, visitou refugiados e ouviu analistas. Enviado especial, Morales passou dias com rebeldes.

EFE   
Publicidade
Publicidade