1 evento ao vivo

EI executa ativista de direitos humanos em praça do Iraque

Ativista chamou de "ação bárbara" a destruição com explosivos, por parte dos jihadistas, de várias mesquitas e mausoléus sunitas em Mossul

23 set 2014
09h10
atualizado às 09h11
  • separator
  • comentários

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) executou a tiros nesta terça-feira uma ativista de direitos humanos em uma praça de Mossul (norte do Iraque), cidade sob o controle da organização extremista desde junho passado.

<p>Desde 8 de agosto, os EUA realizaram um total de 90 ataques no norte do Iraque, 57 deles em apoio às forças iraquianas que combatem o EI perto da estratégica represa de Mossul</p>
Desde 8 de agosto, os EUA realizaram um total de 90 ataques no norte do Iraque, 57 deles em apoio às forças iraquianas que combatem o EI perto da estratégica represa de Mossul
Foto: Mushtaq Muhammed / Reuters

Samira Saleh al-Noeimi foi assassinada após permanecer mais de uma semana detida pelo EI por chamar de "ação bárbara" a destruição com explosivos, por parte dos jihadistas, de várias mesquitas e mausoléus sunitas em Mossul, capital da província de Ninawa, no norte do Iraque.

O EI explicou que as causas da execução da ativista foram suas denúncias contra a organização extremista e sua "apostasia" (abandono da fé) da religião islâmica.

Membros do grupo entregaram o corpo de Noeimi para sua família mas proibiram a realização de um funeral.

A organização extremista executou em Mossul dezenas de intelectuais, antigos candidatos ao parlamento iraquiano e membros dos órgãos de segurança. Além disso, os extremistas decapitaram pessoas acusadas de praticar feitiçaria e apedrejaram homens e mulheres por suposto adultério.

Os jihadistas explodiram mesquitas onde existem túmulos de tradicionais clérigos de Mossul por considerar que os templos devem ser usados apenas para o culto e não como sepultura.

Em junho, o EI aconseguiu importantes conquistas nas províncias de Ninawa, Saladino e Diyala, na metade norte do país, e declarou um califado nos territórios da Síria e Iraque sob seu domínio.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade