PUBLICIDADE

Turista sobrevive comendo moscas após se perder na Austrália

O homem de 26 anos tentava percorrer trajeto de 90 quilômetros a pé quando se perdeu

7 mar 2014 07h56
ver comentários
Publicidade
Turista alemão Daniel Dudzisz, que foi encontrado com vida nesta quarta-feira, 6 de março, próximo a Longbeach, em Queensland, na Austrália. O homem estava perdido desde 17 de fevereiro no local
Turista alemão Daniel Dudzisz, que foi encontrado com vida nesta quarta-feira, 6 de março, próximo a Longbeach, em Queensland, na Austrália. O homem estava perdido desde 17 de fevereiro no local
Foto: EFE

Um turista alemão que se perdeu em meados de fevereiro em uma zona remota do nordeste da Austrália foi resgatado com vida nesta quarta-feira, 6, após se manter se alimentando de moscas, informou a polícia.

O viajante, Daniel Dudzisz, de 26 anos, foi encontrado ontem por um motorista, perto da cidade de Windorah, a cerca de 1.883 quilômetros ao oeste da cidade de Brisbane.

"Ele brincou sobre o fato de que nunca poderia ficar com fome no interior da Austrália devido à grande quantidade de moscas que se pode comer ali, ricas em proteínas", declarou o inspetor da polícia Mark Henderson ao canal "ABC".

O turista tentava percorrer andando um trajeto de 90 quilômetros entre as localidades de Windorah e Jundah, como parte de uma longa travessia a pé do estado de Nova Gales do Sul, cortando Queensland em direção ao monólito vermelho de Uluru, no centro da Austrália.

A polícia explicou que o turista alemão tentava seguir o rio Thomspon quando se perdeu e ficou preso durante 10 dias em uma área florestal inundada pela água próximA do rio Barcoo.

Dudzisz se alimentou inicialmente de feijão enlatado e cereal, mas os mantimentos acabaram rapidamente e ele começou a comer moscas e insetos para sobreviver, acrescentou Henderson.

"Conforme o nível de água aumentava, o turista ficou parado e isolado em uma parte da floresta. Acho que o nível de água aumentou cerca de três metros ao redor", comentou o inspetor australiano.

A polícia coordenou uma grande operação por terra e ar para buscar ao turista alemão, que conseguiu escapar assim que o nível das águas desceu.

"Sua aparente habilidade para sobreviver com alimentos limitados é única e acho que é um homem forte. Ao dizer isto, evidentemente lhe desejamos o melhor, mas não tentamos transformá-lo em um herói nacional", disse Henderson.

O alemão, que a partir de agora prometeu seguir as vias principais, pretende continuar caminhando outros 1.900 quilômetros rumo a Uluru.

EFE   
Publicidade
Publicidade