PUBLICIDADE

Kerry elogia carta de Bolsonaro, mas cobra 'ações imediatas'

O enviado especial para o clima dos Estados Unidos, John Kerry, cobrou ações do governo Bolsonaro para conter o desmatamento no Brasil

16 abr 2021
16h29 atualizado às 16h43
0comentários
16h29 atualizado às 16h43
Publicidade

O enviado especial para o Clima dos Estados Unidos, John Kerry, usou sua conta oficial no Twitter para falar sobre a carta enviada recentemente pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em que o mandatário se compromete a zerar o desmatamento ilegal no país até 2030.

"O compromisso de Jair Bolsonaro com a eliminação do desmatamento ilegal é importante. Esperamos ações imediatas e engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que este anúncio possa gerar resultados tangíveis", escreveu Kerry.

A carta foi a primeira em que Bolsonaro se comprometeu publicamente sobre o tema e vem na esteira do fato que o governo federal busca obter financiamento dos Estados Unidos para a preservação da floresta amazônica.

Secretário especial dos EUA para o Clima, John Kerry, em Paris
10/03/2021 REUTERS/Benoit Tessier
Secretário especial dos EUA para o Clima, John Kerry, em Paris 10/03/2021 REUTERS/Benoit Tessier
Foto: Reuters

No entanto, há bastante pressão política para que Biden não libere os recursos para o país.

Em uma carta assinada nesta sexta-feira (16) por um grupo de 15 senadores democratas, incluindo nomes influentes da sigla como Bernie Sandres, Elizabeth Warren e Patrick Leahy, os políticos cobram que o dinheiro norte-americano seja enviado apenas se for vinculado a progressos comprovados na defesa do meio ambiente.

Para eles, Bolsonaro deu "sinal verde" para o desmatamento.

Os senadores ainda pedem que se o país continuar a desmatar no ritmo atual, os EUA não devem apoiar o pedido do Brasil para entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).
Ministério Público pede afastamento de Salles - O procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado, pediu que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, seja afastado do cargo até o fim da investigação de uma denúncia-crime.

A ação foi aberta na quinta-feira (15) pelo ex-superintendente da Polícia Federal do Amazonas Alexandre Saraiva, afastado após abrir a denúncia, que acusa Salles de integrar organização criminosa, exercer advocacia administrativa e dificultar a "ação fiscalizadora do Poder Público em questões ambientais. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade