PUBLICIDADE

Greta critica líderes e pede mudanças drásticas pelo clima

Ativista sueca fez discurso no Congresso dos Estados Unidos

22 abr 2021
16h50 atualizado às 17h33
0comentários
16h50 atualizado às 17h33
Publicidade

Durante audiência no Congresso dos Estados Unidos nesta quinta-feira (22), a ativista sueca Greta Thunberg criticou a postura de líderes mundiais e alertou que é preciso "mudanças drásticas" para combater as catástrofes climáticas.

"Quanto tempo acreditam que podem continuar ignorando a crise climática, o respeito global à equidade e às emissões históricas sem ter de prestar contar?", questionou a jovem.

Greta critica líderes e pede mudanças drásticas pelo clima
Greta critica líderes e pede mudanças drásticas pelo clima
Foto: Johanna Geron / Reuters

Em seu posicionamento, Greta exigiu o fim dos subsídios às indústrias dos combustíveis fósseis e ressaltou que falar sobre isso em pleno 2021 significa "que não compreendemos a emergência do clima".

A ativista alertou aos parlamentares americanos que a história os responsabilizará pelas "catástrofes climáticas" se não mudarem de postura antes que seja tarde demais.

Para ela, as metas estabelecidas pelos líderes mundiais para enfrentar as mudanças do clima são "amplamente insuficientes".

"Não podemos ficar satisfeitos com algo só porque é melhor do que nada", enfatizou Greta, lembrando que o mundo está "décadas atrasados".

A adolescente ainda notou que existe um "hiato" entre "os objetivos que os líderes mundiais apresentarão durante a cúpula virtual do "Dia da Terra", incluindo o de atingir zero emissões em 2050 e os melhores dados científicos disponíveis.

Greta falou de "uma lacuna de consciência, tempo e ação" na redução de emissões que equivale ao "maior elefante já encontrado em uma sala", a qual "não pode mais ser ignorada".

"Tudo o que eu peço é que ouçam e ajam com base na ciência, usando o bom senso. É preciso agir, o tempo é curto, mas ainda falta construir o seu legado", reforçou ela, garantindo que sua "geração não vai desistir sem lutar".

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade