5 eventos ao vivo

Filadélfia impõe toque de recolher para conter protestos

A tensão tomou as ruas da Filadélfia desde o assassinato de Walter Wallace, de 27 anos, pela polícia, na última segunda-feira

28 out 2020
19h48
atualizado às 19h52
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A cidade norte-americana da Filadélfia adotou um toque de recolher a partir das 21h (horário local) desta quarta-feira para prevenir uma terceira noite de saques e violência, em meio a protestos generalizados após o assassinato de um homem negro pela polícia. 

Manifestantes se reúnem para protestar contra polícia na Filadélfia
27/10/2020
REUTERS/Yuki Iwamura
Manifestantes se reúnem para protestar contra polícia na Filadélfia 27/10/2020 REUTERS/Yuki Iwamura
Foto: Reuters

O toque de recolher vale até as 6h de quinta-feira, anunciou o prefeito Jim Kenney em um pronunciamento ao lado de outras autoridades.

A tensão tomou as ruas da Filadélfia desde o assassinato de Walter Wallace, de 27 anos, pela polícia, na última segunda-feira. Wallace estava armado com uma faca em um confronto com agentes da lei. Segundo familiares, ele sofreu um colapso mental.

A polícia da Filadélfia fez 172 prisões e 53 policiais ficaram feridos em duas noites de protestos que foram marcados por saques ostensivos em lojas e empresas -- algumas delas que ainda se recuperavam dos últimos distúrbios do meio do ano.

Autoridades municipais disseram que cerca de 1 mil pessoas estavam envolvidas em saques em uma região na noite de terça-feira, pegando a polícia de surpresa. 

"Esses indivíduos não estavam fazendo nada, apenas desperdiçando nossos preciosos recursos", disse a Comissária de Polícia da Filadélfia, Danielle Outlaw, no pronunciamento, lamentando o que descreveu como "anarquia generalizada" na cidade. 

Veja também:

As irmãs Khachaturyan: o assassinato que divide a Rússia
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade