0

Estado de saúde de Marchionne seria 'irreversível'

Executivo está internado em hospital de Zurique, na Suíça

22 jul 2018
14h27
atualizado às 14h36
  • separator
  • comentários

O estado de saúde de Sergio Marchionne, ex-CEO da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), seria "irreversível".

Sergio Marchionne está internado desde junho na Suíça
Sergio Marchionne está internado desde junho na Suíça
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Segundo fontes, o executivo está internado na unidade de terapia intensiva (UTI) de um hospital de Zurique, na Suíça. A empresa não confirma as informações.

Oficialmente, a FCA diz que Marchionne passou por uma cirurgia no ombro direito e que suas condições "pioraram" nos últimos dias, o que acabou forçando sua substituição por Mike Manley, ex-responsável pela Jeep, como CEO do grupo automotivo.

Neste domingo (22), o presidente da companhia, John Elkann, escreveu uma carta a seus funcionários afirmando que Marchionne "não voltará mais" para a FCA.

Histórico

Tido como o "salvador" da Fiat, o sempre informal Marchionne, 66 anos, comandava o grupo desde 2004, e muitos imaginavam que ele adiaria sua aposentadoria no ano que vem, dada a dificuldade de imaginar uma FCA sem o executivo.

Quando Marchionne chegou à principal fabricante de automóveis da Itália, a companhia corria o risco de falência, mas ele conseguiu saná-la e torná-la lucrativa, além de ter alcançado acordos com os trabalhadores para investir nas fábricas de Pomigliano d'Arco e Mirafiori, símbolos da industrialização italiana.

Além disso, capitaneou a saída da Fiat da Confederação Geral da Indústria Italiana (Confindustria), entidade da qual a empresa é uma das fundadoras. Com a fusão com a Chrysler, em 2009, a FCA passaria a ter, anos mais tarde, sede fiscal em Londres e domicílio legal em Amsterdã, após 115 anos em Turim.

Ao longo desse período, Marchionne cultivou boas relações com a política e chegou a ser convidado por Silvio Berlusconi a se candidatar com a centro-direita, mas se recusou. Do outro lado, o executivo também era considerado próximo a Matteo Renzi, de centro-esquerda, de quem se afastou no último ano.

Recentemente, Marchionne recebeu elogios até do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O italiano deixou também os cargos de presidente da CNH Industrial e da Ferrari, ambas controladas pela família Agnelli, assim como a FCA.

No caso da primeira, ele foi substituído por Suzanne Heywood. Na segunda, Louis Carey Camilleri, egresso da fabricante de cigarros Philip Morris, foi nomeado como CEO. Já o cargo de presidente passou para John Elkann - ambas as funções eram acumuladas por Marchionne.

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade