PUBLICIDADE

Com casos de Covid em crescimento, duas pessoas envolvidas com Olimpíada são internadas no Japão

29 jul 2021 08h53
ver comentários
Publicidade

Duas pessoas estrangeiras envolvidas com os Jogos de Tóquio foram internadas ao hospital com Covid-19, segundo um porta-voz de Tóquio 2020 afirmou nesta quinta-feira, no momento em que os casos diários na cidade-sede e no Japão atingiram um novo recorde.

Mulher usando máscara caminha do lado de fora do Estádio Nacional, principal local de competições da Olimpíada Tóquio 2020
28/07/2021 REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Mulher usando máscara caminha do lado de fora do Estádio Nacional, principal local de competições da Olimpíada Tóquio 2020 28/07/2021 REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Foto: Reuters

A capital japonesa, onde as restrições contra a pandemia são no geral voluntárias fora da "bolha olímpica", anunciou o recorde de 3.865 infecções diárias nesta quinta-feira, aumento em relação a 3.177 no dia anterior.

Casos diários em todo o país passaram de 10.000 pela primeira vez, segundo a imprensa local.

O pico de casos desta semana levou o principal assessor médico do governo a pedir uma "mensagem mais forte e mais clara" sobre os riscos crescentes da pandemia, inclusive para o cada vez mais sobrecarregado sistema médico.

O porta-voz dos Jogos, Masa Takaya, disse a repórteres que nenhum dos casos relacionados aos Jogos eram sérios e que uma terceira pessoa internada já havia recebido alta. Ele se recusou a entrar em mais detalhes.

Organizadores anunciaram 24 novas infecções associadas aos Jogos, incluindo três atletas, o que levou o total a 193 desde 1º de julho.

Os competidores do evento entre 23 de julho e 8 de agosto e outros participantes do mundo inteiro precisam seguir regras rígidas para impedir a disseminação do vírus dentro da bolha e na cidade como um todo. O público foi proibido de entrar na maioria dos locais de competição.

"Pelo que eu saiba, não há um único caso de infecção espalhando para a população de Tóquio dos atletas do movimento olímpico", afirmou o porta-voz do Comitê Olímpico Internacional, Mark Adams, em uma entrevista coletiva diária.

Mas especialistas se preocupam que a realização dos Jogos envia uma mensagem confusa ao público sobre a necessidade de limitar suas atividades para conter o vírus no momento em que a variante Delta do coronavírus está se espalhando. Apenas 26,5% dos moradores do Japão estão totalmente vacinados e a testagem é escassa.

"A maior crise é que a sociedade não compartilha do mesmo senso de risco", disse o principal assessor médico do Japão, Shigeru Omi, a um painel parlamentar nesta quinta-feira. "Os números (em Tóquio) passaram de 3.000 e isso pode ter algum efeito de anúncio. Sem deixar essa chance passar, eu quero que o governo envie uma mensagem mais forte e mais clara."

Omi afirmou que a vacinação ajudaria, mas outros fatores podem alimentar as infecções, incluindo a prevalência da variante Delta, o cansaço com as restrições, as férias de verão e a Olimpíada.

Taro Kano, ministro no comando da vacinação, que recentemente teve problemas com abastecimento, disse ao painel que todos os que quisessem doses deveriam consegui-las entre outubro e novembro.

Mais de 60% dos leitos de hospital de Tóquio disponíveis para casos sérios de Covid-19 estavam ocupados até a terça-feira, segundo dados municipais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade