PUBLICIDADE

Avião da Malaysia Airlines pode finalmente ser encontrado após 7 anos?

Um engenheiro britânico que ficou mais de um ano coletando dados sobre o avião desaparecido em 2014 acredita que pode ajudar a resolver um dos maiores mistérios da aviação do mundo.

6 dez 2021 09h15
| atualizado às 12h23
ver comentários
Publicidade
Parentes ainda têm muitas perguntas sem resposta sobre o desastre
Parentes ainda têm muitas perguntas sem resposta sobre o desastre
Foto: AFP/Getty Images / BBC News Brasil

O famoso desaparecimento de um voo da companhia aérea Malaysia Airlines, que transportava 239 passageiros e tripulantes, é um dos maiores mistérios da aviação mundial desde 2014. Mas um engenheiro aeronáutico britânico, que passou mais de um ano trabalhando no caso, acha que finalmente conseguiu calcular onde o voo MH370 caiu.

Richard Godfrey acredita que o Boeing 777 caiu no Oceano Índico, a 2.000 km a oeste de Perth, na Austrália Ocidental.

A aeronave desapareceu do radar durante um voo em março de 2014.

Godfrey disse à BBC que espera "sermos capazes de dar uma resposta aos parentes, ao público que utiliza aviões e à indústria da aviação sobre o que exatamente aconteceu com o voo MH370, além de podemos prevenir que tragédias como essa ocorram no futuro".

Ele combinou diferentes dados que antes eram mantidos em locais separados para chegar a esse novo local no sul do Oceano Índico.

Godfrey disse que seu trabalho foi um "exercício complicado". Afirma também que, anteriormente, houve uma "falta de pensamento lateral, em várias disciplinas, para reunir todos os lados."

"Ninguém teve a ideia de combinar dados de satélite Inmarsat, de desempenho da Boeing, com dados de deriva de detritos flutuantes oceanográficos, e dados de rede WSPR", disse.

Godfrey afirmou que o trabalho de sua equipe está progredindo há um ano. "Fizemos muitos testes com essa nova ideia e adquirimos a confiança para aplicá-la ao caso do MH370".

O ponto exato determinado por cálculos de dados é cerca de 33 graus ao sul e 95 graus a leste no Oceano Índico.

Richard Godfrey diz que usou um conjunto de dados para apontar a localização do acidente
Richard Godfrey diz que usou um conjunto de dados para apontar a localização do acidente
Foto: Richard Godfrey / BBC News Brasil

Houve duas buscas extensas no Oceano Índico pelo MH370, mas elas produziram resultados inconclusivos.

As buscas custaram centenas de milhões de dólares e, embora haja a demanda dos familiares para encontrar seus entes queridos, os custos associados são enormes.

'Provas tangíveis'

Grace Nathan perdeu sua mãe, Anne, no acidente.

"É realmente apenas um pesadelo contínuo. Nunca tem um fim. Parece que estamos andando em círculos e batendo em uma parede após a outra. Há muito tempo que esperávamos por algo novo, um novo avanço, algo que justificasse o reinício das buscas e que aumente as chances de encontrar o avião ", disse ela à BBC.

Nathan, uma advogada de defesa criminal que mora em Kuala Lumpur, quer que os novos dados sejam testados por especialistas em aviação que entendam a ciência e a física por trás da localização e testem se a teoria é confiável.

"Agradecemos todas as novas descobertas, especialmente se forem baseadas em evidências tangíveis, como agora. São coisas que podem ser calculadas. Não são baseadas apenas em imagens do Google ou coisas soltas que não podem ser comprovadas", disse.

As pesquisas anteriores pelo MH370 foram difíceis devido ao tamanho da área de pesquisa.

"Uma área tão grande quanto 120 mil quilômetros quadrados foi revistada. Não é procurar uma agulha em um palheiro: é procurar por algo microscópico em um palheiro. É muito difícil de fazer", diz Godfrey.

4.000 metros de profundidade

Em 2015, policiais franceses inspecionam um grande pedaço de destroços de avião encontrados na ilha francesa de La Reunion, no Oceano Índico
Em 2015, policiais franceses inspecionam um grande pedaço de destroços de avião encontrados na ilha francesa de La Reunion, no Oceano Índico
Foto: Reuters / BBC News Brasil

A nova teoria do engenheiro aponta um raio circular de 40 milhas náuticas onde o avião poderia ter caído, bem menor do que as pesquisas anteriores.

"Os destroços podem estar atrás de um penhasco ou em um desfiladeiro no fundo do oceano", disse ele. "Os destroços podem atingir até 4.000 metros de profundidade", acrescentou.

Mais de trinta pedaços de aeronaves foram levados para as praias da costa africana e ilhas do Oceano Índico.

Em 2009, Godfrey seria passageiro da Air France 447 do Rio de Janeiro a Paris, mas os planos de trabalho exigiam que ele permanecesse no Brasil.

Esse voo nunca chegou ao seu destino e caiu no Oceano Atlântico. A partir deste ponto, o engenheiro passou a se interessar por voos perdidos no mar e por tentar localizá-los.

Godfrey é um membro fundador do MH370 Independent Group, e um engenheiro com experiência na construção de automóveis. Já David Gleave é o investigador chefe da Aviation Safety Consultants — ele trabalhou em acidentes e desaparecimentos de aviões por décadas.

"O problema será o financiamento da nova rodada de buscas. Como agora temos dados adicionais precisos sobre a localização do acidente, isso parece ser totalmente confiável e consistente", diz Gleave.

O momento e o lançamento de outra busca dependerão da disponibilidade de equipamentos especialmente projetados e também do estado do mar.

Evidência consistente

"Realisticamente, queremos estar no Oceano Antártico no verão do sul, que ocorre em breve. E as buscas podem voltar em 12 meses. Mas acho que ou os chineses vão assumir a responsabilidade e procurar suas vítimas. Ou as empresas privadas podem fazer a busca, patrocinadas por seguradoras", afirma.

"Trabalhei muito em sistemas de informação e lidando com muitos dados e isso é importante nesta análise. Há uma grande quantidade de dados para filtrar", diz.

Havia 122 cidadãos chineses a bordo do MH370, que partiu de Kuala Lumpur, mas nunca chegou ao seu destino, Pequim.

O desaparecimento levou a um grande número de teorias sobre o que aconteceu.

Uma delas aponta para um 'sequestro do piloto': uma outra pessoa teria assumido o controle e desativado a tecnologia de radar antes de virar sobre o Golfo da Tailândia e seguir para oeste.

"Se você está escolhendo esconder o avião no Oceano Índico Meridional, apenas certifique-se de que ele estava mais a oeste da rota de voo padrão, longe do alcance das aeronaves das equipes de busca e resgate da Austrália. Então, esta localização exata é consistente com essa teoria", diz Gleave.

O envolvimento do Australian Transport Safety Board (ATSB) na busca subaquática do MH370 foi concluído em outubro de 2017.

"O ATSB não está envolvido em nenhum esforço atual para estabelecer a localização da aeronave. Qualquer decisão de retomar a busca pela aeronave seria assunto do governo da Malásia, conforme o estado de registro da aeronave", disse o órgão.

O governo da Malásia e o governo chinês foram procurados, mas não responderam à BBC News.

"É do interesse da segurança da aviação global que este avião seja encontrado para que possamos evitar que algo assim aconteça no futuro", diz Grace Nathan.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade