PUBLICIDADE

Abdulrazak Gurnah ganha o Nobel de Literatura 2021

Abdulrazak Gurnah é tanzaniano e vive na Inglaterra; o anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (7)

7 out 2021 08h16
| atualizado às 08h40
ver comentários
Publicidade
Abdulrazak Gurnah
Abdulrazak Gurnah
Foto: Divulgação

O tanzaniano Abdulrazak Gurnah é o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 2021. O anúncio foi feito pela Academia Sueca no início da manhã desta quinta-feira (7).

Nascido em 1948, Abdulrazak Gurnah cresceu na ilha de Zanzibar, mas se refugiou na Inglaterra no final dos anos 1960, aos 18 anos, por causa da perseguição a muçulmanos. Até a aposentadoria, foi professor de Ingês e de Literatura Pós-colonial na Universidade de Kent. É autor de 'Paradise' (1994), entre outros nove romances inéditos no Brasil.

O prêmio foi dado por sua abordagem dos "efeitos do colonialismo e do destino do refugiado no abismo entre as culturas e os continentes", segundo o júri.

Além dos 10 romances, Abdulrazak Gurnah escreveu também contos - e a questão do refúgio é presente em sua obra desde o começo, nos anos 1980. Sua língua original é a Swahili, mas sua literatura é toda feia em inglês.

'Paradise' é sua obra mais famosa. Foi finalista do Booker Prize em 1994 e conta uma história de formação - do amadurecimento de um garoto tendo como pano de fundo uma África cada vez mais corrompida pelo colonialismo e pela violência.

Entre os escritores cotados este ano, muitos também nos anos anteriores, estavam nomes como o do sul-coreano Ko Un, o queniano Ngugi wa Thiong'o, o chinês Can Xue, o indiano Vikram Seth, o moçambicano Mia Couto e o oponente chinês Liao Yiwu, além do japonês Haruki Murakami, da russa Ludmila Ulitskaya, do húngaro Peter Nadas, do francês Michel Houellebecq, do albanês Ismaël Kadaré, das canadenses Anne Carson e Margaret Atwood e das americanas Joyce Carol Oates e Joan Didion.

Portugal esperava seu segundo Nobel - agora, para Antonio Lobo Antunes. O primeiro foi para José Saramago. E o Brasil, que não tem nenhum Prêmio Nobel de Literatura, viu circular nas redes sociais, nas últimas semanas, que ele seria dado a um escritor anti-bolsonarista.

Em toda a história do Nobel de Literatura, apenas 16 mulheres foram premiadas.

Quem ganhou o Nobel de Literatura em 2020 foi a poeta americana Louise Glück. Dela, a Companhia das Letras publicou, depois do prêmio, 'Poemas: 2006-2014'. No ano anterior, quem ganhou foi o austríaco Peter Handke, mais conhecido do leitor brasileiro, que encontra suas obras no catálogo da Estação Liberdade. E a polonesa Olga Tokarczuk, que já tinha tido um livro publicado no País, 'Vagantes', anos atrás, voltou às livrarias após ganhar o Nobel de Literatura em 2018. A nova fase foi marcada pelo lançamento de 'Sobre os Ossos dos Mortos', entre outros títulos pela Todavia (leia a entrevista de Olga Tokarczuk concedida ao Estadão em 2020).

Estadão
Publicidade
Publicidade