PUBLICIDADE

Interdições ou manifestações em rodovias caem de 335 para 289, diz PRF

Santa Catarina segue como líder de casos, mas o número de ocorrências recuou de 48 para 41

1 nov 2022 - 07h26
(atualizado às 08h19)
Compartilhar
Exibir comentários
Pontos da Via Dutra foram interditados por caminhoneiros apoiadores do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), na altura do quilômetro 149, em São José dos Campos (SP), na manhã desta terça-feira
Pontos da Via Dutra foram interditados por caminhoneiros apoiadores do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), na altura do quilômetro 149, em São José dos Campos (SP), na manhã desta terça-feira
Foto: Estadão

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou, em publicação no Twitter, que os pontos de interdições, bloqueios ou manifestações em rodovias federais do País caíram de 335 à 1h03 desta terça-feira para 289 às 4h30.

Santa Catarina segue como líder de casos, mas o número de ocorrências recuou de 48 para 41. Apenas Amapá, Paraíba e Sergipe não registravam episódios.

Segundo a corporação, 174 manifestações já haviam sido desfeitas, um aumento de 42 em relação à atualização anterior. Mais cedo, a PRF assegurou que adota providências para garantir o retorno da normalidade do fluxo desde o início das interdições.

Na noite de segunda-feira, dia 31, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, ordenou que a PRF e as Polícias Militares estaduais desobstruam imediatamente todas as estradas do Brasil, sob pena de multa.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) também citou a possibilidade de prisão do diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, em caso de descumprimento. Após a decisão, a PRF anunciou operação para liberar as rodovias.

Desde a noite de domingo, 30, após a derrota do presidente Jair Bolsonaro (PL), manifestantes interditam rodovias pelo País. Eles pedem a intervenção do Exército. Há registro de envolvimento de caminhoneiros e produtores rurais nos atos, mas, segundo a PRF, os protestos são majoritariamente organizados por "populares".

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade