1 evento ao vivo

Defesa de Lula pede liminar para garantir petista em debate

Ex-presidente sofreu duas derrotas no TSE e deve ficar de fora do debate da RedeTV!

17 ago 2018
20h10
atualizado em 24/8/2018 às 16h28
  • separator
  • comentários

Após duas derrotas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - preso e condenado na Lava Jato - entrou nesta sexta-feira (17), com um mandado de segurança na Corte Eleitoral para garantir a presença do petista no debate de candidatos ao Palácio do Planalto previsto para esta noite na RedeTV. O processo está com o ministro Luís Roberto Barroso, relator do pedido de registro de Lula.

A defesa de Lula entrou com o mandado de segurança após o ministro Sérgio Banhos, do TSE, ter rejeitado na última quinta-feira (16) pedido do PT para Lula participar do debate. Nesta sexta-feira, Banhos negou um pedido do partido para reconsiderar a decisão anterior.

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva
13/12/2017
REUTERS/Adriano Machado
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva 13/12/2017 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Para a defesa de Lula, mesmo preso, o ex-presidente possui direitos políticos. Os advogados ainda sustentam que a Lei 9.504 de 1997, conhecida como a Lei das Eleições, prevê a participação em debates de candidatos de partidos com representação de, no mínimo, cinco parlamentares, como é o caso do PT.

"Tendo em vista que Luiz Inácio Lula da Silva é candidato a presidente da República, já devidamente registrado junto ao Tribunal Superior Eleitoral, e que o Partido dos Trabalhadores possui atualmente uma bancada de 68 (sessenta e oito) Deputados Federais, é assegurada a sua participação nos debates televisivos e radiofônicos entre os presidenciáveis", sustentam os advogados.

Na avaliação dos defensores do ex-presidente, o cerceamento de liberdade de Lula "não tem a envergadura para lhe afastar sua liberdade de expressão, ou mesmo a sua condição de candidato, de modo a lhe ser assegurada a participação em atos de campanha".

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade