PUBLICIDADE

Contra obrigatoriedade, Tarcísio diz que vacinou filhos; Haddad critica deboche de Bolsonaro

Haddad diz que Bolsonaro prejudicou País durante a pandemia e reforçou necessidade de vacinação; Tarcísio justificou medidas quando ministro

27 out 2022 - 22h31
(atualizado às 23h30)
Compartilhar
Exibir comentários
Candidatos ao governo de São Paulo participam de debate na TV Globo
Candidatos ao governo de São Paulo participam de debate na TV Globo
Foto: Reprodução/ TV Globo

O ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas (Republicanos) reforçou que é contra a vacinação obrigatória em crianças. No entanto, afirmou que vacinou seus filhos. Já o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) relembrou o "deboche" do presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a pandemia e criticou a decisão de Tarcísio, quando ministro, de mandar cilindros de oxigênio para Manaus (AM) por terra e não por via aérea. 

Tarcísio e Haddad participaram, na noite desta quinta-feira, 27, do último debate antes do segundo turno das eleições, promovido pela TV Globo. 

Durante o debate, o petista alegou que Tarcísio quer acabar com a vacinação infantil e com a caderneta de vacinação. O candidato do Republicanos afirmou que vacinou seus filhos, mas que não considera necessário obrigar os pais a vacinar as crianças. 

Provocado por Haddad, Tarcísio justificou a decisão que tomou como ministro da Infraestrutura do governo Bolsonaro sobre o transporte de cilindros de oxigênio para Manaus durante a pandemia. Segundo o ex-ministro, não seria seguro enviar os cilindros por avião, sendo o transporte por estrada mais adequado. "A opção não foi aérea em questão do volume [dos cilindros]. Não seria possível colocar várias carretas num avião", disse.

Haddad então rebateu: "Por que tá em sigilo de cem anos a decisão do Bolsonaro de não levar o oxigênio de avião? Só tem ônibus e balsa para transportar? Ninguém pode acreditar que não é possível levar para Manaus de avião algo para salvar uma vida. Não é verdade [o que Tarcísio diz]". 

Haddad também disse que Bolsonaro prejudicou o País durante a pandemia e reforçou a necessidade de vacinação. O petista ainda argumentou que "o presidente e seu governo debocharam do Instituto Butantã".

No primeiro turno, Tarcísio obteve 9,9 milhões de votos (49,45%). Haddad recebeu 8,3 milhões de votos (35,7%).

No segundo turno, pesquisa Ipec divulgada na terça-feira, 25, mostrou Tarcísio com 52% dos votos válidos e Haddad com 48%. O resultado aponta que os candidatos estão empatados tecnicamente dentro da margem de erro do levantamento, de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade