PUBLICIDADE

Barroso é hostilizado durante jantar em Santa Catarina; polícia é acionada

Ministro do STF não foi agredido e deixou o local para "evitar confrontos"

4 nov 2022 - 14h48
Compartilhar
Exibir comentários
Luís Roberto Barroso janta em Porto Belo (SC)
Luís Roberto Barroso janta em Porto Belo (SC)
Foto: Reprodução

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso foi hostilizado ao ser reconhecido em um restaurante enquanto jantava em Santa Catarina na quinta-feira, 3. Manifestantes pró-Bolsonaro foram até o local em que o ministro estava, na cidade de Porto Belo, e protestaram contra sua presença. Eles ofenderam o ministro, chamando-o de "vagabundo" e "ladrão". 

Barroso deixou o estabelecimento, mas as manifestações seguiram até o local em que ele estava hospedado no município. Como os atos poderiam se tornar violentos, a polícia foi acionada para garantir a proteção do ministro da Suprema Corte e dispersar os manifestantes.

Vídeos nas redes sociais mostram o momento em que Barroso deixa o restaurante em um carro. Há também registro da manifestação que se formou próximo ao local onde ele se hospedou.

Em nota, o STF disse que Barroso retirou-se do restaurante "para não causar transtornos aos demais clientes do local", mas, retornando para casa, sua equipe de segurança detectou outro grupo protestando, fazendo "ruído perturbador" para toda a vizinhança e paralisando a circulação nas ruas adjacentes.

"A manifestação ameaçava fugir ao controle e tornar-se violenta, tendo a segurança aventado o uso de força policial para dispersar a aglomeração. Diante disso, o ministro, em respeito à vizinhança e para evitar confronto entre polícia e manifestantes, retirou-se do local", diz a nota.

O comunicado ressalta ainda que Barroso não foi agredido fisicamente. "O ministro sequer chegou a ver os manifestantes e não houve proximidade física ou agressão. Tampouco houve qualquer registro de dano patrimonial nos locais, que seja de conhecimento do ministro". 

A nota da Corte ainda destaca a necessidade de respeito ao resultado das urnas, que consagrou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) presidente do Brasil a partir de 1º de janeiro de 2023.

"A democracia comporta manifestações pacíficas de inconformismo, mas impõe a todos os cidadãos o respeito ao resultado das urnas. O desrespeito às instituições e às pessoas, assim como as ameaças de violência, não fazem bem a nenhuma causa e atrasam o país, que precisa de ordem e paz para progredir", diz o texto. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade