PUBLICIDADE

Curso de férias: é bom para a criança 'nunca sair da escola'?

Para especialistas, curso de férias pode ser uma opção, se necessário, mas é importante que as crianças também tenham um tempo para o ócio

11 jan 2024 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Curso de férias tem seus benefícios e pode ser uma opção para as crianças, se necessário, mas é importante manter o equilíbrio. Segundo especialistas, as crianças também precisam ter um tempo para o ócio.
Cursos de férias são uma boa alternativa para as crianças? 
Cursos de férias são uma boa alternativa para as crianças?
Foto: Freepik

As férias escolares das crianças já chegaram. E nesse período – geralmente em janeiro e julho –, muitos pais optam por matricular os filhos em cursos de férias. Os motivos para a escolha vão desde tirar os pequenos um pouco de dentro de casa, em frente à TV, celular ou computador o dia todo, terem um controle maior do que os filhos estão fazendo ou até para conseguirem cumprir suas obrigações diárias, como trabalhar. Mas será que essa é uma boa alternativa para as crianças? 

Segundo especialistas ouvidos pelo Terra, curso de férias tem seus benefícios e pode ser uma opção, se necessário, mas é importante ter um equilíbrio. Nessa pausa dos estudos, as crianças também precisam ter um tempo para não "fazerem nada" ou para usarem o período de acordo com suas próprias escolhas.

"Os cursos de férias oferecem muitas atividades diferentes, lúdicas, mais artísticas. A criança está ali bem cuidada, num ambiente com pessoas especializadas nesse contato com ela. Porém, a criança precisa de uma trégua para não fazer absolutamente nada, tampouco atender regras, e isso você só consegue fazer na intimidade do seu lar", destaca a psicopedagoga Marcia Affonso, vice-presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia.

"A minha sugestão é que sempre busque esse equilíbrio, de ter essa oportunidade no período de férias para que a criança possa fazer a escolha dela, brincar com o brinquedo que ela gosta, ter um espaço para poder extravasar alguma coisa que ela tenha internamente no que diz respeito a interesse por algum assunto ou por algum brinquedo", completa Marcia. 

Gabi Moutinho, educadora parental e especialista em neurociência, educação e desenvolvimento infantil, também reforça a necessidade das crianças terem um tempo para o ócio. "A criança precisa desenvolver algumas habilidades cognitivas que ela só desenvolve com o ócio. O ficar 'sem fazer nada' significa uma oportunidade para desenvolver habilidades do tipo resolução de problemas, ser mais curioso. O ficar 'sem fazer nada' é muito importante, e o brincar também faz parte do desenvolvimento psicoemocional da criança", explica.

"O curso de férias é interessante desde que não exija uma necessidade de ter que exercer muito de uma psique que já foi exercida durante o ano acadêmico todo. Se for uma programação em que tenha acesso à natureza, ao ar livre, a explorar, a desenvolver o lado criativo, tudo bem. Depende muito do conteúdo que esses cursos estão propondo", acrescenta.

Gabi pontua ainda que essa pausa nos estudos é tão importante quanto a programação pedagógica que qualquer escola oferece e contribui no desenvolvimento das crianças. "O cérebro infantil precisa oxigenar para que proporcione um aprendizado."

6 dicas de perguntas aos filhos para substituir o 'como foi na escola?' 6 dicas de perguntas aos filhos para substituir o 'como foi na escola?'

Converse antes com a criança

Antes de matricular o filho em um curso de férias, a educadora parental cita a importância de conversar com a criança e entender se esse caminho vai ser prazeroso ou exaustivo para ela. "Tem que ser algo conversado e nunca imposto, porque senão vira um efeito reverso. Aquilo que seria prazeroso e para lazer, acaba sendo estressante", afirma Gabi Moutinho.

A dica da especialista é apresentar à criança a proposta do curso de férias e saber se ela se interessa. "Avaliar junto com a criança todas as propostas. É de interesse daquela criança, por exemplo, se, dentro daquela colônia de férias, tiver uma atividade na piscina e a criança não sabe nadar? Isso pode causar um trauma para ela. Então, verificar se o conteúdo que está sendo proposto se adequa às habilidades, aos interesses da criança."

Outras dicas para as férias

Confira outras dicas das especialistas para lidar com esse período de férias dos filhos:

  • Tente propor atividades em que a criança terá um acesso maior ao mundo;
  • Se possível, vá com ela para a casa de uma avó ou de um amigo, conheça lugares novos, prepare uma receita juntos;
  • Tente separar momentos em que a família toda consiga participar de uma atividade;
  • Proponha atividades em que a criança precise usar não só a habilidade manual, mas a habilidade intelectual;
  • O uso de telas pode ser um pouco flexibilizado, desde que monitorados o conteúdo que será visto e a quantidade de tempo.
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade