PUBLICIDADE

Apenas 19% dos alunos concluem ensino médio na idade certa e com conhecimento suficiente, diz estudo

Levantamento com dados de 2019 mostra dificuldades na educação brasileira

12 jun 2024 - 00h00
Compartilhar
Exibir comentários
Apenas 19% dos alunos terminam ensino médio na idade ideal e com conhecimento suficiente
Apenas 19% dos alunos terminam ensino médio na idade ideal e com conhecimento suficiente
Foto: Rafa Fernandez Torres

O sistema educacional brasileiro ainda enfrenta dificuldades na formação de alunos. Aprendizado insuficiente e atraso na conclusão do ensino médio são problemas comuns no País, segundo dados revelados pelo Índice de Inclusão Educacional (IIE), publicado pelo Instituto Natura.

De acordo com o levantamento feito com números de 2019, apenas 19% dos alunos concluíram o ensino médio com conhecimento suficiente e, no máximo, um ano de atraso em relação ao recomendado. De maneira um pouco mais clara, isso representa quase 2 de cada 10 estudantes.

Para elaborar o estudo, a pesquisa trabalhou com dados do Sistema de Avaliação de Educação Básica (Saeb) para analisar o nível de conhecimento dos alunos. Realizado por meio de testes e questionários, o exame é aplicado a cada dois anos na rede pública e em uma amostra de instituições privadas.

Com essa base, considerou-se proficiente aqueles estudantes que concluíram a etapa com pontuação em leitura e matemática acima de 300 pontos, avaliação mínima para o aprendizado básico.

Além do Saeb, dados do Censo Escolar e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) foram utilizados para compreender informações dos alunos e a proporção de indivíduos da geração que se encontram fora da escola, respectivamente.

Apesar de assustar, a taxa representa um aumento em comparação aos dados de anos anteriores apresentados pelo estudo. Em 2017, por exemplo, o IIE foi de 13.6%. Anteriormente, 2015 teve 9.6% dentro dos índices e 2013, 13.8%.

Diferentemente de outros levantamentos, também é importante entender que este índice trabalha com alunos de toda uma geração, e não apenas os de determinada série escolar. Para definir a geração, consideraram-se todos os nascidos entre o dia 1 de janeiro e 31 de dezembro de determinado ano. Assim, os que completaram 17 anos no ano de conclusão do ensino médio são considerados “em linha”. Até os 18, considerando um ano de atraso, também é visto como dentro do prazo. 

IIE por Estado

Outro índice preocupante da pesquisa é a desigualdade da formação entre Estados. Com o melhor resultado, São Paulo teve 27% dos alunos concluindo o ensino médio dentro dos indicativos. Amapá, por outro lado, apresentou o pior desempenho com 6.5%.

  • Rondônia: 12.1%
  • Acre: 9.2%
  • Amazonas: 7.7%
  • Roraima: 8.3% 
  • Pará: 8.4%
  • Amapá: 6.5% 
  • Tocantins: 11.8%
  • Maranhão: 8.9%
  • Piauí: 15.2%
  • Ceará: 21.2%
  • Rio Grande do Norte: 15.5%
  • Paraíba: 15.9%
  • Pernambuco: 19.3%
  • Alagoas: 11.9% 
  • Sergipe: 13.1%
  • Bahia: 7.9% 
  • Minas Gerais: 22%
  • Espírito Santo: 24.6%
  • Rio de Janeiro: 18.1%
  • São Paulo: 27%
  • Paraná: 24.7%
  • Santa Catarina: 17.4%
  • Rio Grande do Sul: 17.6%
  • Mato Grosso do Sul: 16.8%
  • Mato Grosso: 13,4%
  • Goiás: 25.8%
  • Distrito Federal: 26%

Como é possível notar, a região Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo) apresenta os melhores índices. Em contrapartida, o Norte (Rondônia, Roraima, Acre, Amazonas, Pará, Amapá e Tocantins) tem os números mais preocupantes.

Outras fases do ensino

Além de dados do ensino médio, o estudo apresentou números de anos iniciais e finais do fundamental. Nestes casos, a evolução também foi notada, porém, com números um pouco mais animadores.

Para anos iniciais do ensino fundamental, o IIE mostrado foi de 37% dos alunos dentro das taxas em 2013 e 52,4% em 2019, primeiro e último ano apresentados na pesquisa. No intervalo, 2015 mostrou 43,2% e 2019 com 52,4%.

Na sequência, os anos finais do fundamental tiveram uma alteração de 14,9% em 2013 para 24,7% em 2019. Entre as datas, 2015 teve taxa de 16,9% e 2017 mostrou 21,3%.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade