8 eventos ao vivo

Quais serão as tendências do mercado da moda em 2020?

O que os consumidores esperam das marcas nos próximos anos?

15 jan 2020
18h01
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Não é segredo para ninguém que na última década o mundo da moda enfrentou algumas modificações, mudanças essas que impactaram as tendências do mercado.

Foto: DINO / DINO

Isso porque, nos últimos anos a inclusão digital se expandiu ainda mais, o que transformou o modo de consumir de grande parte das pessoas.

Além disso, muito se tem falado sobre a consciência sustentável, assunto que há alguns anos não era tão comum como atualmente.

Sem dúvidas, após o surgimento das mídias sociais, muita coisa se transformou. Com a chegada das redes sociais como o Instagram, por exemplo, vieram os chamados influenciadores digitais.

Os influenciadores digitais são indivíduos que através de seus perfis nas redes sociais, exercem influência sobre determinada marca ou produto, com o objetivo de levar as pessoas a tomarem decisões, seja pelo estilo de vida ou de consumo.

O Portal da Diva, por exemplo, é uma página que chama a atenção de mulheres que buscam sempre estarem antenadas no que diz respeito à moda.

No ano de 2019 somente nos primeiros seis meses, o crescimento no varejo de vestuário e acessórios foi de 8% e um total de mais de 72 mil novas empresas abertas. Isso porque roupas e acessórios são itens muito procurados, pelo fato de serem bens de uso comum.

Estima-se que até o ano de 2021 o mercado da moda cresça 3,1%. Dessa forma, para as empresas que ainda não estão no comércio eletrônico deste segmento é importante lembrar que se trata de um negócio que vale a pena, visto que é uma área que cresce a cada dia.

Os estudos sobre o crescimento desse campo apontam para o crescimento, independente da motivação. Seja pelo aumento de crédito, da demanda, empreendedorismo ou necessidade.

Atuar no mercado da moda é considerado como uma das atividades mais importantes para o país.

03 tendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos.

Baseado nas modificações dos últimos anos, a WGSN (autoridade global em análises e previsões de tendências) elaborou um estudo que apresenta algumas tendências que definirão o que o consumidor espera das marcas nos próximos anos, o que é importante que os varejistas estejam atentos. 

1. A importância dos sentimentos

O estudo mostrou que os consumidores estão em busca de conexões mais humanas. Ou seja, uma relação pessoal, algo mais humanizado, diferente da tecnologia de inteligência artificial e experiências digitais. Por isso, investir em funcionários e em tecnologias que aprofundem as
relações é um bom caminho.

2. A economia da Confiança

A cada dia que passa as pessoas estão mais desconfiadas. Isso porque muitas instituições estão em descrédito, sejam governos, imprensa, marcas e empresas. Dessa forma, as empresas que inspiram confiança, possuem chances de gerarem muito mais conversão.

Por isso, representar o consumidor, se posicionar e apoiar causas são algumas estratégias que ajudam os consumidores a confiarem mais na marca. Além disso, entender os medos de seus clientes, agir com transparência e até mesmo atuar como membro em alguma causa nobre na
comunidade são táticas que devem ser utilizadas.

3. Preocupações climáticas

Devido aos desastres naturais e danos causados ao ecossistema que o planeta vem sofrendo, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com ações que torne o mundo um ambiente melhor para se viver.

Com essa nova reação emocional dos consumidores, é essencial que os varejistas se preocupem com soluções para o meio ambiente. Um exemplo disso no mundo da moda é a loja Zara que têm incentivado os seus consumidores a devolverem roupas danificadas ou que já não utilizam mais, para a reciclagem de fibras.

Certamente, nos próximos anos para que se tenha ainda mais sucesso no setor varejista, muitas empresas deverão estar alinhadas com as tendências que vêm surgindo, e com o mercado da moda não é diferente.



Website: https://portaldadiva.com.br/

Veja também:

Segunda onda de covid-19 na Europa
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade