0

Polarização política e eleições municipais podem dificultar negociações do Governo com Congresso Nacional

De acordo com o professor de resolução de conflitos e mediador, Marcelo Girade, é preciso evitar estratégias competitivas de negociação

26 dez 2019
15h27
atualizado às 15h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O primeiro ano de governo de Jair Bolsonaro (PSL) ficou marcado principalmente pela aprovação da Reforma da Previdência, promulgada em 12 de novembro. Porém a relação do presidente com o Congresso Nacional também teve rusgas e virou assunto na esfera pública. Entre altos e baixos, ficou a dúvida: O poder de negociação do governo em 2019 foi positivo ou negativo?

Foto: DINO / DINO

De acordo com o professor de professor de resolução de conflitos e mediador, Marcelo Girade, para se medir o sucesso de uma negociação é necessário verificar se os interesses de todas as partes foram atendidos. No caso da Reforma da Previdência, o resultado foi bem-sucedido, já que nenhuma outra possibilidade se mostrou tão vantajosa para o país e para os parlamentares quanto ao texto final aprovado. "Dentro do possível e do razoável, todos saímos ganhando com a redução da pressão sobre a política e a economia com o avanço nessa área", diz.

O especialista explica que as concessões feitas durante a aprovação da reforma foram baseadas em critérios objetivos que atendiam sobretudo ao interesse maior da nação de destravar uma pauta tão importante. Entretanto, é necessário tomar cuidado com a polarização. "É uma armadilha para os dois lados por um aspecto muito simples: o longo-prazo. Se os relacionamentos forem de longo-prazo, como é o caso do governo com o Congresso e os demais atores, é preciso evitar estratégias competitivas de negociação", garante.

Girade também acredita que o governo precisa conseguir chegar a um denominador comum sobre qual a agenda que não pode ser deixada de lado para o país retomar seu crescimento de forma sustentável. Os méritos dos avanços devem ser vistos como um esforço coletivo e não apenas do governo. 

Com as eleições municipais de 2020, isso pode ser um verdadeiro desafio já que o ano que vem também será marcado com a necessidade de aprovação de reformas fiscais. O governo terá janela curta para as aprovações, visto que, os parlamentares voltarão suas atenções para as campanhas eleitorais e aumentarão ainda mais as pressões pela liberação de verbas que assegurem votos nos estados.

Outros fatores externos também poderão influenciar nas negociações para o ano que vem. De acordo com professor em Resolução de Conflitos, quanto maior o interesse de fora, maior a complexidade da negociação. 

"As negociações dentro e fora do governo são feitas por pessoas que representam os interesses de terceiros. Ser capaz de explicar a tomada de decisão feita em uma negociação para o seu público constituinte é decisivo no comportamento de um negociador e no rumo que uma negociação assume. Esse é o caso das chamadas medidas impopulares, por exemplo. Decisões que precisam ser tomadas para gerar resultados positivos para a sociedade no futuro, mas, que no presente são vistas como nocivas. Muitas negociações acabam limitadas por esse receio" conclui Marcelo Girade.



Website: https://www.youtube.com/marcelogirade

Veja também:

A enfermeira que salvou três bebês de hospital atingido pela explosão em Beirute
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade