0

Para conter avanço do coronavírus, presídios adotam medidas preventivas

Liberação de presos, restrições às visitas e transferências internas são algumas ações propostas por autoridades.

3 abr 2020
22h44
atualizado às 23h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A possibilidade de transmissão do novo coronavírus em presídios brasileiros tem gerado "dores de cabeça" às autoridades públicas. Na segunda-feira (16), o Rio de Janeiro contabilizou quatro carcerários suspeitos com a COVID-19 em uma cadeia pública da Baixada Fluminense. Na Bahia, o governador Rui Costa suspendeu, durante 15 dias, visitas aos presidiários.

Foto: Antônio Chequer / DINO

As atenções se voltaram para a população carcerária ainda na primeira semana de março, quando a Itália presenciou motins nas prisões em Modena e Nápoles, devido ao medo do novo vírus. Evitando um espelhamento do cenário italiano, autoridades brasileiras anteciparam medidas como transferências internas, restrições às visitas, observação de internos com suspeita da COVID-19 e até a soltura de presos.

Segundo confirmação da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), cerca de 800 presos foram liberados nas penitenciárias baianas. Com relação ao sul do país, aproximadamente 4 mil carcerários já foram autorizados a deixar a prisão. Partindo para a região sudeste, no território de Minas Gerais, mais de mil detentos já saíram de prisões municipais para prisão domiciliar.

Segundo a advogada criminalista Lorena Correia, "as medidas de prevenção nos presídios se mostrarão, nos próximos dias, insuficientes em razão do número gritante de presos que o Brasil comporta e dado a higienização precária desses locais. Sendo assim, a nova recomendação (62) tomada pelo Conselho Nacional de Justiça é que as prisões em determinados casos sejam substituídas por domiciliar e antecipação de progresso de regime", explica.

A advogada lembra que o estado é responsável pela preservação da saúde de todos que estão sob sua tutela e guarda, incluindo presidiários. De acordo com dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen/2019), a população carcerária no Brasil comporta mais de 770 mil presos, ocupando a 3º posição no ranking das nações com o maior número de presos do mundo.

"Apesar das medidas implantadas resolverem parcialmente o contágio, como suspender as visitas e liberar alguns presos, esqueceram que ainda é preciso lidar com superlotações e contaminação através de objetos e funcionários. Os detentos não receberam material de proteção ou higiene, não têm álcool em gel, em vez disso, há ratos e baratas andando pelos corredores. Não há uma limpeza adequada. É de conhecimento de todos que no Brasil há homens e mulheres amontoados, com celas idealizadas para cinco presos e que abrigam mais de vinte", afirma.

O avanço do coronavírus aumenta as preocupações das autoridades pela transmissão da doença em locais fechados. Outra epidemia já registrada, a de tuberculose, registrou mais de 10 mil casos em presídios brasileiros em 2018, segundo dados do Ministério da Saúde. Para Lorena, o cenário epidêmico de COVID-19 em presídios tende a ser muito mais grave do que o histórico de outras doenças.

"O isolamento social é para que não haja propagação do vírus, mas dentro das unidades prisionais não há esse isolamento. O grande problema aqui é que, se um interno for acometido da doença, certamente todos do pavilhão também serão contaminados", conclui.

Para entrar em contato com o escritório de advocacia Matos & Correia, basta enviar um e-mail para contato@matosecorreia.adv.br ou acessar a página do Instagram @matosecorreia.



Website:

https://www.instagram.com/matosecorreia/?hl=pt-br

Veja também:

Pelé é superestimado? Editor do L! avalia polêmica criada por site inglês
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade