2 eventos ao vivo

O Desafio da Liderança e a legitimidade do líder

19 mar 2020
16h34
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A liderança tem um alto impacto para influenciar mudanças positivas. "Liderança é, para mim, antes de tudo, um tipo de sacerdócio", comenta Erika Schneider, pós-graduada em Comunicação com o Mercado pela ESPM e graduada em Publicidade pela mesma instituição. Sua trajetória profissional de trinta e três anos reúne empresas nacionais e multinacionais, com atuação em Marketing de Produtos, Projetos e Customer Success. Erika, é uma das mulheres profissionais que atua em cargos de liderança, e faz parte de uma evolução no mercado de trabalho sem precedentes.

Foto: DINO / DINO

Existe uma urgência em promover mais mulheres para os cargos de liderança sênior, bem como um foco na experiência de fundadoras e donas de empresas. A grande questão é como apoiar esses esforços de avanço garantindo que todos os líderes recebam o suporte gerencial necessário para o sucesso.

Embora os homens continuem ocupando em maior parcela os principais empregos nas maiores empresas, as mulheres estão começando seus próprios negócios a uma taxa de mais de 1.800 por dia. Considerando que o voto feminino foi conquistado em 1891, há uma evolução rápida nesta equalização. Também está acontecendo uma evolução no ambiente de trabalho corporativo, com maior promoção das mulheres para os cargos de gerência. Com essa transformação da força de trabalho e maior representação feminina no topo, uma nova guarda de mulheres líderes está sob intenso escrutínio.

Uma análise recente da Bloomberg— empresa de tecnologia e dados para o mercado financeiro e agência de notícias operacional em todo o mundo com sede em Nova York — destacou que apenas ter mais mulheres no comando não significa maior igualdade para todas as mulheres. Desde a ex-CEO do Yahoo, Marissa Mayer, a liderança das mulheres e o impacto na cultura de uma empresa estão sob observação constante. Também traz à luz um problema de gerenciamento mais amplo. De acordo com um estudo da American Psychological Association, as CEOs de mulheres são julgadas mais severamente do que os homens, principalmente por falhas éticas. O estudo aponta que as mulheres sofrem maiores penalidades por transgressões éticas por causa de estereótipos persistentes de gênero que tendem a categorizar as mulheres como tendo mais características comunitárias do que os homens, como sendo mais agradáveis, sensíveis e favoráveis aos outros. Esse nível mais alto de escrutínio continuará enquanto houver menos mulheres em cargos de liderança.

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, em 08 de março, Erika Schneider compartilha sua reflexão sobre o desafio da liderança:

Nos dias atuais, em que os alicerces de isopor da pós-verdade, da ampla, irreversível e controversa inclusão digital, do ambiente VUCA, que já é um dos argumentos mais buscados no Google, do crescimento exponencial e já não mais linear de tudo, da desmedida exposição (e autoexposição), qual o papel do líder no redesenho do arco social e seus construtores, os liderados?

Em primeiro lugar, o líder não tem o poder de revogar memórias e cancelar histórias individuais dos liderados, sejam elas de dor ou amor. Ao assumir a responsabilidade por lidar com vidas humanas, é necessário imbuir-se de humanidade e legitimidade.

Essa legitimidade torna possível a fertilização das sementes que o líder planta, pois é também um semeador, um calibrador do norte magnético e um grão-mestre de pequenos ritos, como é esperado e exigido de um líder-servo.

Liderar não é fazer com que as pessoas exaltem o que você tem de melhor, e sim o que há de melhor nelas mesmas. E a legitimidade do líder em praticar o reconhecimento vem da humildade, pois ela caminha à frente de todas as virtudes pela qual o líder é mantido e respeitado, e mais do que isso, tem sua mensagem propagada tão naturalmente que a equipe fará de tudo para perseguir um resultado, seja ele grande ou pequeno, de forma que a tenacidade será real, contagiante e irrestrita. Idealismo? Posso testemunhar que, absolutamente, não, através de um exemplo flagrante em minha vivência de mais de quinze anos de gestão de times multifuncionais.

A heterogeneidade e variedade de times que já liderei passa da contagem de duas mãos. Como gerente de Marketing de Produtos, estive à frente de uma estrutura organizacional tradicional, com coordenadores, analistas, assistentes e estagiários. Já como gerente de projetos, experienciei o modo servidor, pois um gerente de projetos lidera sem chefiar, tanto superiores quanto pares e seus respectivos times, seja no modelo cascata, seja no ágil. E centrais de relacionamento, por último e igualmente desafiadoras, pois o contato direto com a voz do cliente é um convite diário à reflexão sobre a percepção de sucesso do que estamos fazendo, afinal, sem clientes, sem sucesso.

E o sucesso coletivo passa pelas crenças individuais mais imaculadas que guardamos, como por exemplo, de que podemos ser reconhecidos pela meritocracia, aclamada por muitos, praticada por poucos. E quando se tem liderados que despertam antes do nascer do sol, trabalham durante mais de oito voltas completas do movimento dos ponteiros das horas, colocam as alças das mochilas em torno dos ombros e retornam às suas casas após um longo sacolejar no transporte multimodal, é preciso pensar: meus liderados carregam sonhos em suas mochilas, planos em seus intervalos de descompressão e anseios nos finais de semana.

É preciso ser muito humano. É preciso compartilhar o que se aprende. É imperativo prestar-se à audiência, motivar pelo exemplo, aplicar feedforward mais que feedback e cultivar os talentos. A essência da liderança consiste em manter acesa a chama do progresso para que o time se mantenha coeso, o que é totalmente diferente de promover um comportamento de manada. Liderar é inspirar e reconhecer é expirar".

Erika, tem formação complementar em Desenvolvimento de Produtos e Serviços pela FGV, além de Green Belt Lean Six Sigma, PMBOK e SCRUM, atualmente é orientada pela Success People — empresa de desenvolvimento pessoal e gestão de pessoas, situada em São Paulo — em sua transição de carreira.

Success People. Acesse: www.successpeople.com.br



Website: http://www.successpeople.com.br

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade