0

Leilão de imóveis nos Estados Unidos traz oportunidades para brasileiros que buscam alta rentabilidade e a segurança do dólar

É possível adquirir imóveis em leilão com 30% a 35% abaixo do preço de mercado

30 mar 2020
17h07
atualizado às 17h40
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A taxa básica de juros no Brasil atingiu seu menor patamar histórico e tem desafiado os investidores a garimpar alternativas mais rentáveis, no atual cenário de estagnação econômica, sem necessariamente aumentar o nível de risco das aplicações. Se, por um lado, o dólar a R$ 5 demanda um capital inicial maior, é possível driblar o câmbio e, com deságio significativo, adquirir um ativo que garante rendimentos vitalícios na mais forte e segura moeda do mundo. Esse é o caso do chamado "distressed properties", imóveis que foram a leilão por falta de pagamento.

Foto: DINO / DINO

É possível adquirir imóveis em leilão com 30% a 35% abaixo do preço de mercado, segundo destaca Ricardo Molina, autor do livro Como Ganhar Dinheiro com Vacation Homes e CEO da Talent Realty (www.talentrealty.com.br). Um apartamento duplex na Florida, de 120 m², com dois quartos e dois banheiros (suítes), pertinho da Disney, pode ser adquirido pelo preço de US$ 160 mil dólares, 70% do valor de mercado, US$ 230 mil, conforme exemplifica o especialista neste vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=FtP97o2bFas

Segundo explica Molina, o imóvel na condição de distressed property pode pertencer tanto a pessoas físicas quanto instituições, públicas ou privadas. O mais comum, contudo, é encontrar imóveis em posse de bancos, que foram devolvidos por impossibilidade de pagamento, um fenômeno que cresceu significativamente após a crise das hipotecas subprime (alto risco), em 2008, motivo que desencadeou uma das maiores recessões financeiras mundiais da história.

Nos Estados Unidos, hoje existem 43 instituições financeiras, nacionais e regionais, que colocam à venda imóveis na condição de distressed property. Não é um mercado listado, então é preciso ficar atento às oportunidades. Um corretor de imóveis pode ajudar a encontrar esses imóveis e filtrá-los, assim como auxiliar nas negociações para obter preços melhores. "Com a ajuda do especialista, o investidor consegue adquirir um ativo real a preços bem atraentes, compensando (e até superando) a alta do dólar dos últimos doze meses", diz Molina. "É possível adquirir uma casa que se pague totalmente por meio do aluguel e que ainda ofereça uma oportunidade de fonte de renda", complementa.

De acordo com Molina, o rendimento proporcionado pelo aluguel de casas nos Estados Unidos pode chegar a 12% ao ano, ganho que permite quitar totalmente o imóvel em pouco tempo e garante uma renda extra em dólar todos os meses ao investidor.

Já em São Paulo, um dos estados mais caros do país, o rendimento dos aluguéis mal supera o IGP-M desde janeiro de 2018, segundo o Secovi-SP, consequência da atual estagnação econômica do país. Investir em imóveis para aluguel no exterior, em regiões de alta demanda, pode ser a estratégia mais assertiva.

Rendimento em dólar traz segurança no longo-prazo

Segundo dados da National Association of Realtors (Nars), associação de corretores dos Estados Unidos, estrangeiros investiram US$ 22,9 bilhões em imóveis na Flórida em 2018, 71% desse valor foi destinado ao segmento de vacation homes. Os brasileiros foram responsáveis por 9% do total de aquisições no período, cerca de US$ 2 bilhões desse montante.
A Flórida é um dos destinos preferidos dos investidores estrangeiros que buscam imóveis como fonte de renda, somando 30% das aquisições do segmento nos Estados Unidos - no ano passado, estrangeiros gastaram US$ 77,9 bilhões no mercado imobiliário norte-americano.

Veja também:

Pelé é superestimado? Editor do L! avalia polêmica criada por site inglês
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade