0

Endometriose: tudo o que é preciso saber sobre essa doença que atrasa o sonho de ser mãe de 1 a cada 10 mulheres todos os anos

14 mai 2019
11h39
atualizado em 15/5/2019 às 22h24
  • separator
  • 0
  • comentários

endometriose é uma doença multifatorial que pode causar sérios desequilíbrios físicos e psicológicos em mulheres das mais diversas idades. Saber mais sobre ela é a única - e melhor - forma de lidar com eles. Inicialmente, é interessante saber que a endometriose é uma doença multifatorial, no qual o tecido endometrial aparece fora da cavidade uterina, ou seja, em outras regiões do corpo, podendo ser ou não assintomática.

Foto: site / DINO


No Brasil aproximadamente 7 milhões de mulheres sofrem de endometriose, essa doença se não tratada a tempo pode até evoluir para casos de infertilidade. Endometriose em números: 

20%: mulheres em idade reprodutiva afetadas pela endometriose

30%: chance de mulheres com endometriose ficarem estéreis

40%: mulheres inférteis que são portadoras de endometriose

44%: casos em que se passaram cinco anos ou mais até a doença ser diagnosticada

51%: média de casos em que o caráter hereditário está presente entre os fatores de risco

 
Nos últimos 9 anos, a nutricionista Moniele Cunha acompanhou a gestação de centenas de casais que queriam melhorar o estilo de vida e poder concretizar o sonho de ser mãe. De difícil diagnóstico e compreensão, a doença pode causar alterações hormonais, imunológicas, deficiência na via de destoxificação, além de alterações intestinais dolorosas.

Algumas mulheres não sabem que têm a doença, pois não apresentam sintomas físicos e só descobrem quando encontram dificuldade para engravidar. Em situações mais avançadas, as opções de tratamento incluem medicamentos, cirurgia e, possivelmente, mudanças e ajustes no estilo de vida.

O que é endometriose e os principais tratamentos

Conforme dito, a endometriose é um distúrbio comum no qual o tecido semelhante ao endométrio cresce onde não deveria estar. O tecido endometrial é o tecido que cresce e se espalha no útero. Na maioria dos casos, esse crescimento ocorre em torno dos órgãos da cavidade pélvica.

- O tecido da endometriose age de forma semelhante ao que está dentro do útero: ele cresce, engrossa e tenta se soltar a cada ciclo menstrual;
- Como o tecido não tem como deixar o corpo, pode causar aderências, nódulos e lesões que desencadeiam uma resposta inflamatória. Isso pode levar a dor e outras complicações, como a infertilidade.

endometriose pode afetar cerca de 1 em cada 10 mulheres em idade reprodutiva, embora as estimativas variem muito e a prevalência provavelmente difira entre as populações. A incidência pode ser menor em mulheres negras e hispânicas, por exemplo. Ela pode ser uma condição difícil de diagnosticar precocemente, especialmente uma vez que muitas mulheres não apresentam sintomas e porque a confirmação de um diagnóstico requer um procedimento cirúrgico. Muitas mulheres apresentam sintomas há anos e visitam vários médicos antes de serem diagnosticados.

Se a pessoa acha que pode ter endometriose por sentir muita dor, ter sangramento ou outros sintomas que serão melhor explicados à frente, é recomendável que busque um médico e obtenha informações que podem ajudar no diagnóstico e na formação de um plano de tratamento. Afinal, o tratamento precoce da endometriose pode reduzir o risco de complicações.

Quando os sintomas começam a aparecer?

Os sintomas da endometriose podem começar a aparecer no início da adolescência ou aparecer mais tarde, na idade adulta. Eles podem ocorrer constantemente ou podem ser cíclicos.

Os sintomas cíclicos surgem e desaparecem ao mesmo tempo em cada ciclo menstrual, geralmente ocorrendo mais ou menos ao mesmo tempo que a menstruação. Tanto os sintomas quanto o impacto da endometriose podem variar com base em onde o tecido está localizado. A endometriose ovariana, por exemplo, é um tipo de endometriose que pode causar infertilidade.

O estágio de avanço da endometriose parece não se correlacionar com a gravidade dos sintomas, que incluem:

- Cãibras pré-menstruais / menstruais que são muito dolorosas;
- Dor durante ou após o sexo (dispareunia);
- Movimentos intestinais dolorosos e / ou micção;
- Dor no abdômen, na parte inferior das costas ou nas coxas, que costuma durar ao longo do ciclo;
- Períodos de alto fluxo;
- Dificuldade em engravidar (infertilidade).

doença pode começar na mesma época do primeiro período menstrual (menarca). Isso pode levar a mulher a pensar que um alto nível de dor é "normal", quando na verdade ela pode ser causada por endometriose ou por outra condição médica.

O que causa a endometriose?

As razões pelas quais o tecido semelhante ao endométrio cresce onde ele não deveria são desconhecidas. Inicialmente, pensava-se que isso era causado pelo fluxo de desenvolvimento do tecido uterino e pelas cavidades pélvicas (ou menstruação retrógrada). Porém, até 9 em 10 mulheres têm a chamada menstruação a retrógrada, e a maioria não desenvolve endometriose, sugerindo o envolvimento de outros fatores. Além disso, algumas meninas desenvolvem a condição antes de atingirem a menarca.

Uma teoria é que a endometriose poderia se desenvolver a partir de células endometriais viajando através dos vasos sanguíneos ou do sistema linfático. Outra é que as células fora do útero podem se desenvolver em células endometriais.

- Na endometriose prévia à menarca tem sido sugerido que a exposição aos hormônios maternos e o sangramento uterino neonatal desempenham um papel importante em seu surgimento. O excesso de estrogênio, os genes e o sistema imunológico podem desempenhar um papel no desenvolvimento dessa condição.

- Há evidências de que a endometriose pode ser transmitida através da genética familiar. Isso significa que uma mulher pode ter mais chances de tê-la se alguém em sua família biológica também tiver.

- Pode também existir uma maior probabilidade de desenvolver a endometriose mulheres que dão à luz mais tarde, se elas tiverem uma idade precoce de menarca ou menopausa tardia. Também estão mais propensas mulheres com ciclos menstruais curtos (<28 dias). Isso pode acontecer devido a uma maior quantidade de ciclos menstruais em média - e, consequentemente, mais exposição ao estrogênio.     

Algumas pesquisas mostram que mulheres com endometriose também tendem a ter uma maior inflamação geral no corpo, níveis mais altos de gorduras "ruins" versus "boas" no sangue (lipoproteínas de baixa densidade vs. lipoproteínas de alta densidade) e níveis mais altos de oxidação por estresse.

Esse chamado "estresse oxidativo" refere-se ao nível de dano nas células, tecidos e órgãos do corpo em relação a toxinas ambientais ou subprodutos do próprio metabolismo. Ainda não se entende por que essas características geralmente aparecem em mulheres com endometriose, ou quais são as suas causas subjacentes.

Comprovadamente, a endometriose é tipicamente uma condição progressiva, o que significa que ela pode piorar com o tempo. A infertilidade é uma complicação comum da endometriose, que pode ser evitada com o tratamento precoce. Até metade das mulheres com endometriose demonstram diminuição em sua fertilidade.

Pesquisas recentes também descobriram que as mulheres com endometriose podem estar em maior risco de problemas cardiovasculares, incluindo doenças cardíacas, como ataques cardíacos. Isso pode acontecer devido aos níveis de inflamação, gorduras e estresse oxidativo observados em muitas mulheres com endometriose.

O diagnóstico precoce pode melhorar os resultados no futuro. É importante sempre ter em mente que o manejo precoce da doença pode ajudar a reduzir a sua progressão, reduzir complicações e manter os sintomas sob controle.

Como a endometriose é diagnosticada?

Muitas mulheres com endometriose são tratadas com base em seus sintomas, sem um diagnóstico formal. Em alguns casos, um diagnóstico oficial é feito por meio de uma laparoscopia, uma cirurgia simples. Neste procedimento, os médicos fazem uma pequena incisão no abdômen (geralmente abaixo de 1,5 cm dele) e inserem uma câmera para olhar dentro da cavidade pélvica. Pequenas amostras de tecido podem ser coletadas, chamadas de biópsias.

Um profissional de saúde provavelmente fará perguntas sobre seu histórico médico e menstrual e realizará um exame físico simples. É preciso falar o mais abertamente possível sobre sintomas de dor e quaisquer problemas com infertilidade ou aborto espontâneo. Se o profissional de saúde achar que a endometriose pode estar presente, eles também podem realizar:

Um exame pélvico;

Um ultrassom pélvico (sonograma);

Uma laparoscopia.

Pode ser útil monitorar o nível de dor e compartilhar essas informações com o médico responsável pelo tratamento. Enquanto a pessoa sentir algum desconforto em sua época menstrual é considerado "normal", a dor na endometriose pode ser muito pior, por isso é importante comunicar-se com clareza e transparência.

Também é possível tentar conversar com alguém especializado em ginecologia ou endometriose.

Não é incomum que o diagnóstico demore cerca de 5 anos (ou entre 3-11 anos) após o início dos sintomas.

Quais são as opções de tratamento e manejo da endometriose?

endometriose geralmente dura muitos anos, mas os sintomas são controláveis através de tratamentos.

Como a endometriose é tratada dependerá dos sintomas e objetivos de cada pessoa. Os objetivos podem ser sentir menos dor ou engravidar. Os sintomas de muitas mulheres são suaves o suficiente para que não precisem de tratamento, mas a endometriose ainda deve ser monitorada, pois pode causar problemas no futuro.

- Medicamentos: a pessoa apontar que sente dor relativa a endometriose, seu médico possivelmente irá sugerir a tomada de um analgésico de venda livre;

- Medicamentos hormonais também são frequentemente prescritos como uma abordagem precoce;- Outros medicamentos que afetam os hormônios também podem ser prescritos se as abordagens iniciais não forem suficientes.

Os inibidores de aromatase, por exemplo, limitam a produção de estrogênio no organismo e podem ajudar com alguns sintomas, mas podem causar efeitos colaterais fortes e geralmente são prescritos após outras opções terem sido exploradas.

Cirurgia para a endometriose

Em alguns casos, um médico pode sugerir uma laparoscopia para explorar e remover ou destruir cirurgicamente qualquer tecido problemático. Isso pode ajudar com os sintomas e melhorar a fertilidade. Os médicos podem realizar a excisão ou ablação laparoscópica. A excisão consiste em cortar tecido problemático, enquanto a ablação consiste em queimar o tecido através de cauterização ou laser.

Há muito debate sobre qual método é melhor para qual estágio da condição. Uma revisão de pesquisas em 2017 descobriu que ambos os métodos podem ter vantagens no tratamento de certos sintomas.A cirurgia leva ao alívio dos sintomas na maioria das mulheres com endometriose leve ou moderada, mas nem sempre é eficaz. Além disso, a sua recorrência (e a necessidade de novos procedimentos cirúrgicos) é comum ao longo do tempo. A cirurgia também tem os seus próprios riscos, que precisam ser ponderados em relação aos benefícios potenciais.

Uma histerectomia (remoção do útero, trompas de falópio e, às vezes, ovários) pode ser considerada uma opção de tratamento de "último caso" em casos graves, após o esgotamento de outros métodos de tratamento. Este procedimento médico não trata eficazmente a endometriose em todos os casos, mas apresenta taxas de retorno mais baixas do que outras cirurgias, especialmente quando os ovários são removidos. Diversos especialistas afirmam que a remoção dos ovários deve ser considerada uma opção de tratamento "radical", pois resulta em menopausa cirúrgica em mulheres em idade reprodutiva.

Mudanças no estilo de vida com endometriose

Algumas mulheres consideram tratamentos alternativos para seus sintomas. Estes incluem exercícios físicos, mudanças na dieta e acupuntura. Infelizmente, ainda há pouca pesquisa referente ao assunto e faltam evidências para a eficácia de muitas dessas abordagens.

Apenas um estudo feito em 24 mulheres encontrou os critérios para inclusão em uma revisão sobre acupuntura para dor na endometriose e encontrou melhora na menstruação dolorosa (especialmente quando grave), mas são necessárias pesquisas de maior qualidade. Algumas mulheres consideram uso de tratamentos alternativos para seus sintomas. Estes incluem exercícios físicos, mudanças na dieta e acupuntura. O uso de melatonina por exemplo, que é o hormônio do sono, comprovadamente auxilia no alívio das dores, já que a melatonina se comporta como um analgésico para a mulher.

Um estudo* randomizado feito no brasil e publicado no pubmed em 2013 demonstrou que a melatonina apresenta a função de reduzir as dores pélvicas associadas à endometriose, comportando-se como um poderoso agente analgésico, antioxidante e anti-inflamatório. Neste estudo, os pesquisadores analisaram dois grupos de mulheres com idades de 18 a 45 anos durante dois meses. O primeiro grupo recebeu doses de placebo e o segundo grupo recebeu 10 mg de melatonina/dia.

E os resultados alcançados foram que as mulheres que receberam as doses de melatonina obtiveram:

- 80% de redução na necessidade de uso de analgésico para dor;
- 39,80% de redução nos escores diários de dor;
- Melhora na qualidade do sono;
- Redução nos níveis de bndf (fator neurotrófico do cérebro);

Ou seja, se o seu médico souber e concordar, você pode incluir a melatonina na sua prescrição pessoal.

Conscientização referente à endometriose

Março é o mês da conscientização sobre a endometriose. Nas abordagens referentes à doença, aponta-se, nas mais diversas localidades de todo o mundo, que essa doença afeta milhões de mulheres. Os folhetos e cartilhas explicativos apontam que algumas mulheres com endometriose não apresentam sintomas significativos, mas a maioria apresenta dor pélvica crônica que pode ser debilitante e causar problemas na função intestinal e da bexiga.

endometriose também pode afetar a capacidade de uma mulher engravidar, embora muitas mulheres com endometriose possam engravidar e depois de feito a cirurgia, a gravidez chega numa boa. Há muita informação espalhada em diversos locais sobre a endometriose, algumas verdadeiras, outras não , mas é importante estar atenta ao seu corpo e se atualizar buscando sempre por fontes confiáveis.

Então, é sempre importante contar com fontes confiáveis sobre o assunto e evitar que esse se torne um tópico confuso, especialmente por ser parte do dia a dia de tantas mulheres.

Alguns mitos e incertezas sobre a endometriose

Ainda há muita incerteza acerca da endometriose e de suas causas, conforme previamente apontado. Existem várias teorias sobre o que causa a endometriose, mas, na verdade, não se conhecem todos os detalhes. Sendo a teoria mais comum e antiga, a menstruação retrógrada de sampson, na qual as células endometriais fluem para trás através das tubas uterinas e para o abdome e a pelve, ao invés de fluir através da vagina junto com a menstruação.

Outras teorias sugerem que as células são transportadas no sangue ou no sistema linfático ou se transformam de outros tipos de células. E outra teoria ainda fala sobre os diruptores endócrinos como o bisfenol a do plástico, o uso excessivo de absorventes contendo dioxina e outros poluentes, pesticidas, herbicidas e tóxicos que alteram a cadeia hormonal feminina e aumentam o estrogênio por exemplo.

Suas respostas tendem a se alterar e influenciam a forma como os receptores de dor e os nervos reagem a essas mudanças. Existem alguns fatores genéticos que parecem influenciar algumas dessas mudanças, mas não as explicam completamente. A investigação continua sobre a causa pontual da endometriose, e é esperado que, um dia, uma compreensão mais clara sobre o assunto conduza a melhores estratégias de tratamento e prevenção.

Como saber se de fato a pessoa tem endometriose?

A única maneira de diagnosticar a endometriose com certeza é através de uma boa consulta, investigação por meio de exames de sangue complementares, ultrassom e ressonância. Além desses, se for o caso, é feita a cirurgia, a laparoscopia, onde, de forma mais simples do que anteriormente explicado, um ginecologista vai olhar dentro do seu abdômen e da pelve com uma câmera, através de pequenas incisões.

Se surgir a suspeita de endometriose, tecidos podem ser removidos e enviados a um patologista para confirmar o diagnóstico microscopicamente. Isso geralmente não requer a remoção de nenhum órgão, apenas da área afetada. Embora a cirurgia seja a única maneira de diagnosticar a endometriose com certeza, ela é frequentemente suspeitada com base nos sintomas e ocasionalmente em exames de imagem.

Dentre esses exames pode-se citar exemplos como a ultrassonografia ou a ressonância magnética - se houver um cisto que se pareça com endometrioma ou em nódulos maiores. A maioria dos pequenos implantes de endometriose não são vistos em estudos de imagem. Ou seja, ainda que a cirurgia ofereça certezas, muitas mulheres podem ser tratadas por suspeita de endometriose sem passar por ela.

Condições relacionadas à endometriose

endometriose pode estar associada a várias outras condições de dor crônica, incluindo disfunção do assoalho pélvico, vulvodinia, cistite intersticial, síndrome do intestino irritável, enxaquecas e muito mais.

Nem sempre é claro se os sintomas podem ser referentes a própria endometriose ou a outras condições relacionadas. É por isso que é importante consultar um ginecologista com experiência em dor pélvica crônica - e que possa ajudar a formar uma estratégia de tratamento que aborde os problemas específicos de cada paciente.

Mais formas de lidar com a endometriose

Enquanto não há cura conhecida para a endometriose, existem muitos tratamentos para ajudar a controlar os sintomas. A endometriose pode ser tratada com medicamento, com cirurgia e com dieta para a endometriose.

A doença é responsiva ao estrogênio, portanto, muitas estratégias de tratamento incluem métodos hormonais para suprimi-lo. Isso inclui métodos de contracepção hormonal, como pílulas anticoncepcionais, adesivos e anéis. Também pode incluir métodos exclusivos de progesterona, como pílulas somente com progesterona, depo-provera e diu contendo levonorgestrel ou mesmo a gestrinona - pomada, óvulo ou implante subcutâneo no glúteo. Para as mulheres que não alcançam alívio suficiente através destes métodos, existem agonistas de gnrh e danazol.

Estes medicamentos interrompem a via hormonal e podem ser muito eficazes, mas também podem ter efeitos colaterais significativos. Todos esses métodos hormonais impedem a gravidez. É por isso que muitas recorrem a alguns métodos cirúrgicos. Embora a histerectomia possa ser um passo eficaz para algumas mulheres com endometriose, ela não é necessária para muitas mulheres e também não é uma garantia de que a endometriose não retornará.

Além de tratar a endometriose em si, algumas mulheres precisarão de tratamento adicional para o controle da dor. Isso pode incluir acupuntura, fisioterapia do assoalho pélvico, aines como ibuprofeno e naproxeno, analgésicos neurológicos e às vezes como último recurso, analgésicos narcóticos. Com tantas opções de tratamento, é importante conversar com um ginecologista sobre qual é a melhor opção para você.

E quanto a dieta?

Há um estudo que mostra um risco diminuído de desenvolver endometriose em mulheres que consomem mais vegetais e frutas e menos carne vermelha. Muitos nutricionistas e praticantes de medicina funcional recomendam uma dieta anti-inflamatória. Isso inclui evitar alimentos processados, laticínios, açúcar refinado, carboidratos como farináceos e cafeína e adicionar alimentos anti-inflamatórios à dieta.

Alguns alimentos anti-inflamatórios incluem vegetais, especialmente vegetais de folhas verdes, brócolis e beterraba e frutas como mirtilos e abacaxi. Além disso, recomenda-se a ingestão de alimentos ricos em ômega-3, como salmão, nozes, óleo de coco, sementes de chia, sementes de linhaça, cúrcuma e gengibre.

Alguns especialistas também recomendam evitar alimentos com propriedades estrogênicas, como soja e álcool, e acrescentar alimentos ricos em magnésio e ferro para ajudar a aliviar o útero e compensar as perdas causadas por sangramento anormal.

Uma dieta rica em alimentos com comida de verdade, azeite, óleo de coco, óleo de abacate, óleo de uva, sementes de girassol, semente de abobora, castanhas, frutas secas e sucos de baixo índice glicêmico são ótimas estratégias. Optar por carnes brancas e magras e ovos, leguminosas e grãos integrais fara toda a diferença a longo prazo no tratamento e na melhora dos sintomas.

Esses alimentos fazem parte de um estilo de vida saudável e não tem nenhum efeito colateral, portanto, vale a pena tentar. Embora não sejam específicos da endometriose, as vitaminas B, D e E mostraram, também, ter alguns efeitos na redução dos períodos menstruais dolorosos.

Mais específico para a endometriose, tanto os ácidos graxos ômega 3 (encontrados no óleo de peixe) quanto o resveratrol (encontrado nas peles de uvas e frutas vermelhas e extrato de vinho tinto) demonstraram ter efeitos promissores na endometriose em modelos animais e estudos moleculares. Porém, isso ainda não se traduz em uma resposta significativa para a cura das mulheres com endometriose.

Mais detalhes sobre a gravidez e a endometriose

A endometriose foi encontrada em até 50% das mulheres que procuram tratamento para infertilidade. É um fato que ela pode afetar a fertilidade, causando a presença de tecido cicatricial - especialmente em torno das trompas de falópio e ovários - o que pode bloquear o caminho dos óvulos até o útero. A resposta inflamatória produzida pela endometriose também pode criar um ambiente que não é adequado para a função ovariana regular, fertilização ou inseminação.

Além disso, muitos dos tratamentos para a endometriose também impedem a gravidez, dificultando o controle dos sintomas e a gravidez das mulheres. No entanto, algumas mulheres com endometriose são capazes de engravidar espontaneamente. Outras podem necessitar de cirurgia para remover a endometriose antes da gravidez ou tratamentos de fertilidade para aumentar suas chances de engravidar.

Para muitas mulheres com endometriose, seus sintomas podem melhorar com a gravidez. Contudo, isso não é verdade para todas as mulheres com endometriose e, para algumas, as dores típicas da gravidez podem se tornar muito mais graves e desenvolver outros riscos para a gravidez.

Riscos de câncer relacionados à endometriose

A endometriose é uma condição benigna diferente de um tumor maligno como o câncer. Pode, às vezes, comportar-se como um agressor, especialmente uma vez que se espalha e se repete, mas não é fatal. No entanto, as mulheres com endometriose têm um risco ligeiramente aumentado de câncer de ovário.

Raramente, a endometriose, especialmente em cistos de endometrioma, pode estar relacionada a certos tipos de câncer de ovário. Ainda não está claro se a endometriose se transforma em câncer nesses casos ou se o câncer surge de forma independente, sendo necessário confirmar essa teoria através de estudos mais consistentes.

Benefício e desvantagens de diferentes tratamentos para a endometriose

Ao lidar com a endometriose, pode-se contar com benefícios e desvantagens ao se optar tanto por um dos tratamentos acima citados, quanto por nenhum deles. Ao não fazer nada, ou seja, ao seguir sem tratamento, é possível contar com algumas vantagens e desvantagens - ao se analisar um panorama geral e referente ao funcionamento de seu organismo:

- Não contar com efeitos colaterais relacionados ao uso de medicamentos;
- Não contar com nenhum sintoma de risco cirúrgico;
- A maioria dos sintomas continua - sem interrupções;
- Alguns desses sintomas podem piorar;
- Alívio da dor de forma simples através do uso de analgésicos, como paracetamol e ibuprofeno, que são também fáceis de se obter - muitas vezes não é eficaz.

É sempre importante ter em mente que o uso de ibuprofeno tem alguns riscos para a saúde, a depender da mulher em questão e do funcionamento de seu organismo. O mesmo pode ser dito em relação ao paracetamol. Ao se optar por um dos tratamentos acima citados, também é possível lidar com uma lista de vantagens e desvantagens, como:

- Dor reduzida;
- Períodos menstruais irregulares ou inexistentes;
- Interrupção do crescimento da endometriose, na maioria dos casos;
- Efeitos contraceptivos para mulheres que não se focam em engravidar e, sim, na redução da dor;
- Possíveis efeitos colaterais, como ganho de peso, mau humor, acne, aumento da quantidade de pelos, cãibras e sensibilidade mamária;
- Os sintomas podem retornar quando o tratamento for interrompido;
- Pode não acabar de forma eficiente com a dor;
- Pode não oferecer resultados satisfatórios em termos de fertilidade;
- Não é possível engravidar durante o período de uso de determinados medicamentos;
- É possível ser recomendada a tomada de medicamentos causadores da menopausa precoce;

Efeitos colaterais desagradáveis, como excesso de sudorese:

- Desbaste ósseo - a depender de determinados tratamentos usado por mais de seis meses;
- Pequeno risco de coágulos nas pernas ou nos pulmões;
- A necessidade de investir em cirurgias, como a laparoscopia;
- Dificuldades de atingir um diagnóstico definitivo;

O benefício de contar com uma cura a longo prazo - em até 70% das mulheres.

Riscos em geral associados à cirurgia

Todas as vantagens e desvantagens acima citados só podem ser categorizados de acordo com o ponto de vista de cada mulher. É por isso que eles não foram segmentados. Porém, estando atenta a todas as possibilidades acima citadas, se torna mais simples conversar com o seu médico ou médica sobre as possibilidades disponíveis.

Suporte psicológico para lidar com a endometriose

É completamente normal sentir que você precisa de apoio emocional ao lidar com a endometriose.

endometriose afeta mais do que apenas o corpo físico e pode ter um profundo impacto emocional nas mulheres e meninas que vivem com a doença. Não é preciso ter medo de pedir ajuda ao seu parceiro, amigos ou familiares quando sentir perturbação ou confusão em relação aos seus sintomas às decisões que devem ser tomadas sobre os tratamentos. É muito fácil deixar os entes queridos de lado e não falar sobre o assunto por não querer sobrecarregá-los ou porque a mulher acredita que eles não a entenderão.

Ao se sentir capaz de conversar com eles, a pessoa poderá descobrir que eles serão uma fonte de grande conforto e apoio. Além disso, seu médico deve ser capaz de encaminhar a pessoa para um serviço de aconselhamento, especialmente se for uma mulher que deseja engravidar e não consegue.

Psicólogos e terapeutas - até mesmo sexólogos - podem desempenhar um papel importante ao ajudar mulheres e meninas a lidar com os sentimentos de angustia, incapacidade, descrença, dor crônica, infertilidade e frustração que frequentemente acompanham essa doença.

Atualmente, existem diversas redes de apoio que desempenham um papel vital em ajudar meninas e mulheres a aprenderem a lidar com a endometriose. Diversos grupos locais de apoio em todo o país dão às pessoas afetadas pela endometriose a oportunidade de conhecer e compartilhar suas experiências com outras pessoas que entendem sua situação. Contar com esse tipo de apoio permite que a pessoa tenha acesso a mais informações, bem como apoio emocional e ombros amigos.

Além disso, é possível contar com redes online que permitam que as mulheres se conectem com outras portadoras de endometriose em um espaço seguro e sem julgamentos.

Conclusões referentes à endometriose

Não é difícil perceber que a vida com a endometriose pode ser bastante turbulenta e emocionalmente instável para as mais diversas mulheres, sem exceção. É por isso que é fundamental contar com o acesso ao maior número de informações possíveis sobre o assunto, compreendendo melhor de que forma o seu corpo funciona e tendo apoio médico e profissional em relação a ele.

Todas as informações compartilhadas nesta matéria são retiradas de fontes científicas, mas devem ser pessoalmente analisadas de acordo com cada caso em específico e junto a um médico ou médica especialista no assunto. Porém, de forma geral, é possível obter mais informações em relação à endometriose e contar com opções para se livrar dela da forma mais eficiente possível. Fale com um profissional.

Quer saber mais sobre fertilidade suas causas e como aumentar suas chances de engravidar? 

Clique abaixo e baixe agora totalmente grátis o e-book.

Como potencializar a sua fertilidade e aumentar as suas chances de engravidar.



Website: http://monielecunha.com.br/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade