4 eventos ao vivo

Dados pessoais: brasileiros poderão vender seus dados diretamente para empresas

O novo sistema promete revolucionar a comunicação entre empresas e clientes no Brasil.

23 fev 2021
17h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

No início de 2021 a notícia sobre o enorme vazamento que expôs o CPF de mais de 220 milhões de brasileiros chamou a atenção. Segundo informações do Tecnoblog o arquivo de 14 GB possui dados de 223,74 milhões de CPFs distintos, e aparentemente foi compilado em agosto de 2019. O número de pessoas afetadas é maior do que a população brasileira porque a base de dados também inclui falecidos, os dados vão de CPF até fotos, passando por número de telefone, endereço e renda. 

Foto: Foto Ilustrada EloPag / DINO

Neste contexto, vale ressaltar a aplicação da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que garante a privacidade de dados dos usuários e prevê multas que variam de 2% do faturamento bruto da empresa até o valor de R$ 50 milhões por infração para a empresa que seja punida por expor indevidamente dados do usuário.

Diante deste cenário de impotência em que todos os brasileiros se encontram após o megavazamento de seus dados pessoais, uma startup de São Paulo criou uma solução que além de não compartilhar os dados pessoais dos usuários, possibilita que os clientes se conectem através de tokens diretamente com as empresas que se propuserem a monetizar esta relação cliente-empresa de forma direta e sem intermediários.

Com a chegada do novo modelo, o cliente assume totalmente o controle dos seus dados e poderá oferecê-los de forma segura a terceiros e, principalmente, revogar o consentimento a qualquer hora. Já as empresas precisam comprar créditos para se conectar a estes tokens criados pelos consumidores.

A criação se espelha no modelo open bank que começa a ser testado neste mês, só que no caso da EloPag - nome dado à startup - a comunicação aberta pretende conectar e monetizar os tokens anonimizados criados pelos usuários que se relacionarem com as empresas - que não terão acesso aos dados pessoais dos usuários, a não ser que o próprio cliente os informe.

Para criar um token que possa ser monetizado pelas empresas parceiras, os usuários precisam baixar o aplicativo que já está disponível nas versões iOS e Android e criar uma conta id para que os valores desta relação sejam depositados.

Todo cuidado é pouco no que tange à comercialização de dados pessoais; e esta comercialização só pode acontecer com o consentimento inequívoco dos usuários, que devem decidir com quem se relacionam, compartilham ou atualizamseus dados pessoais.

Quanto à atuação da EloPag, o consumidor tem a oportunidade de se relacionar de forma mais próxima e segura comempresas que conhece ou venha a conhecer, sem custos e recebendo uma recompensa, devidamente sinalizada no app. A monetização acontece justamente pelo o cliente se manter conectado via token diretamente com empresas que precisam deste contato ponta a ponta.

O relacionamento direto acontece através de uma rede social id, onde o cliente receberá propagandas direcionadas para o seu CPF de forma consentida, já em conformidade com aLGPD, e havendo interesse, o cliente poderá se relacionar através de um chat monetizado que o app possui.

Mais informações sobre a EloPag para clientes e empresas podem ser encontradas no site: https://elopag.com.br/ e pelo Instagram, em: https://www.instagram.com/elopagoficial/. O aplicativo está disponível na App Store e no Google Play.



Website: https://elopag.com.br/

Veja também:

Covid-19: Paraná recebe 146,8 mil novas doses da vacina
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade