PUBLICIDADE

DINO

Controle da glicemia e adoção de bons hábitos são fundamentais no controle do diabetes

14 nov 2018 - 14h46
Compartilhar
Exibir comentários

De acordo com levantamento da Federação Internacional de Diabetes (IDF - International Diabetes Federation), realizado em 2017, há 425 milhões de adultos diabéticos, em todo o mundo, um contingente expressivo. O estudo também apontou um aumento de 10 milhões de pessoas com a doença nos últimos dois anos.

Foto: DINO / DINO

O Brasil aparece em 4º lugar, entre os países com maior número de diabéticos - são ao todo 12,5 milhões de indivíduos. A pesquisa também revela que a possibilidade de desenvolver a doença aumenta com a idade, por isso, idosos com mais de 65 anos respondem por 24% dos casos diagnosticados.

Entre 2010 e 2016, 406.452 pessoas morreram por diabetes ou doenças relacionadas no país. E o que mais preocupa a comunidade médica é a falta de conhecimento: uma a cada duas pessoas não sabe que tem a doença. Segundo o médico da Família e Comunidade da Qualirede, Gabriel Lufchitz, uma das principais maneiras de prevenir o diabetes, controlar ou diminuir o nível glicêmico, se dá por meio de uma mudança nos hábitos, que inclui orientação nutricional e prática regular de exercício físico.

"O diabetes é uma doença crônica, que deve e pode ser evitada com a adoção de hábitos saudáveis, como alimentação adequada e prática de atividade física regular", afirma Gabriel. Ele chama atenção para as recomendações em casos específicos: "Todos os indivíduos com mais de 40 anos e aqueles que são hipertensos, que estão acima do peso ou possuem histórico familiar de diabetes, devem verificar a glicemia regularmente."

O diabetes é uma síndrome crônica comum, caracterizada pelo comprometimento do metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras, devido à secreção insuficiente de insulina e/ou à resistência insulínica nos tecidos. Segundo o médico, uma vez que a pessoa se torna diabética, é necessário um controle ainda maior. Afinal, o risco de complicações que a doença pode acarretar para o paciente, ao longo dos anos, é maior e muito mais grave quando a taxa glicêmica se encontra fora do padrão aceitável.

Atento ao autocuidado, o aposentado Jatyr Ribeiro Borges, 66 anos, que tem diabetes tipo 2 (Mellitus), faz uso de medicação para controle glicêmico e pratica atividades físicas diariamente. Periodicamente, ele recebe visitas de uma equipe de saúde da AIS (Atenção Integral à Saúde), que realiza o controle clínico e o orienta quanto aos cuidados necessários. "A doença veio em decorrência do descuido ao longo da minha vida, mas, hoje eu compenso com bons hábitos. A orientação e o apoio da equipe médica também tem sido fundamental para me ajudar no controle da doença", diz o aposentado.

Benefícios da prática de exercício físico para diabéticos:

- Controle eficaz do nível glicêmico, reduzindo o risco de complicações associadas à descompensação do diabetes, como doenças cardiovasculares, doença renal, pele sensível, problemas nos olhos e neuropatia periférica;

- Melhora na circulação periférica e aumento na captação de glicose pelos músculos, em consequência do aumento de massa muscular;

- Aumento da ativação do GLUT4 (proteína liberada pelos músculos no momento da contração, que transporta a glicose do sangue para outras células do corpo, para ser utilizada como energia), diminuindo o nível de glicose no sangue e melhorando os níveis de insulina.

Website: https://qualirede.com.br/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade