0

Como diversificar a carteira de investimentos em P2P?

1 jun 2020
17h31
atualizado em 2/6/2020 às 08h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Por definição, fintech vem da convergência de dois termos: financial e technology (finança e tecnologia). Sendo assim, fintechs são empresas que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro. Serviços que, outrora, eram oferecidos apenas por instituições tradicionais do setor bancário, com oferta restrita e custos operacionais elevados.

Foto: DINO / DINO

Atualmente grandes instituições dominam o sistema de crédito no Brasil, o que   é um entrave à expansão da economia do País. Segundo informações do Instituto Locomotiva, Serasa Experian e Banco Central, 45 milhões de brasileiros estão excluídos do sistema bancário e de crédito.

Mas, tudo  pode mudar com a tecnologia. De acordo com o próprio Banco Central, entre os principais benefícios das fintechs, vale destacar: o aumento da eficiência e concorrência no mercado de crédito, a rapidez e celeridade nas transações, a diminuição da burocracia no acesso ao crédito, a criação de condições para redução do custo de crédito, a inovação e o acesso ao sistema financeiro nacional.

P2P Lending: investimento alternativo

Expoente da economia compartilhada, o P2P, ou Peer to Peer lending, é uma nova modalidade de investimentos e empréstimo de dinheiro para pessoas físicas ou empresas. Se, de um lado, o P2P pode ser vantajoso para pequenas e médias empresas, a modalidade também pode ser lucrativa para os investidores.

Assim, o Peer to Peer lending desponta como uma alternativa para aqueles que buscam diversificar suas carteiras de investimentos e almejam ganhos superiores a qualquer investimento atrelado a baixa remuneração, como a Taxa Selic.

De acordo com Marcos Travassos, CEO da Money Money Invest— plataforma digital que atua como correspondente bancário e que possui mais de 25 anos de experiência no mercado financeiro e na indústria bancária —, foi justamente pensando nesse perfil de investidor, e em democratizar o crédito para pequenas e médias empresas, que a fintech surgiu.

"Na Money Money trabalhamos sem burocracias, com um modelo de crédito altamente experiente, diligente e escalável. Oferecemos desintermediação financeira, democratizamos o crédito para que as empresas possam gerar mais emprego e renda e trazemos aos investidores retornos mais justos e transparentes. Queremos transformar a economia real", explica Travassos.

Ainda segundo o CEO, além de oferecer uma nova modalidade de investimentos, a Money Money Invest oferece produtos financeiros de qualidade para aqueles que são o verdadeiro motor de crescimento da economia: as pequenas e médias empresas.

 Investir em Peer to peer é seguro?

De acordo com Marcos Travassos, investir em P2P é seguro para o investidor que busca uma fintech de confiança e que segue as diretrizes do Banco Central, além de seguir a regra básica da diversificação, ou seja, é fundamental distribuir o aporte no maior número de operações possível.

"Na Money Money, por exemplo, nosso propósito é dar aos investidores comuns a oportunidade de investir, com segurança, parte de suas reservas na economia real através de uma operação simples, fácil e muito transparente", enfatiza. 

"Acreditamos que o Brasil cresce pelas mãos dos empreendedores. Dessa forma, com crédito certo e com preço justo, ajudamos a mudar a dinâmica das empresas e sua velocidade de crescimento", complementa.

Para mais informações sobre investimentos, peer-to-peer lending, nova modalidade de investimentos e diversificação de carteira de investimentos, basta acessar o site da Money Money: www.moneymoneyinvest.com.br



Website:

http://www.moneymoneyinvest.com.br

Veja também:

Quem é o menino bailarino da Nigéria que viralizou nas redes sociais
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade