0

Premier descarta novo lockdown generalizado na Itália

Conte pontuou que verdadeiro desafio será o crescimento econômic

5 set 2020
14h19
atualizado às 15h01
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, afirmou neste sábado (05), durante um fórum em Cernobbio, que o país não vai mais impor um lockdown nacional para continuar enfrentando a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Giuseppe Conte destacou as ações de seu governo para combater a pandemia
Giuseppe Conte destacou as ações de seu governo para combater a pandemia
Foto: ANSA / Ansa

"Não enfrentaremos mais um lockdown generalizado. Os números continuam a não ser desprezíveis, mas não estamos mais perante uma explosão de uma pandemia. Nós nos estruturamos com um sistema de monitoramento que nos permitirá intervir razoavelmente de maneira focada e restrita territorialmente. Os contágios desses dias são sensivelmente menores do que os países das nossas fronteiras", destacou o premier.

Conte se referia aos dados italianos que, apesar de estarem em uma tendência de alta, não passaram dos 1,8 mil casos diários, enquanto em algumas nações europeias, como França e Espanha, eles estão muito maiores. Os dois países vem registrando dados superiores aos sete mil contaminados por dia.

"Nós enfrentamos uma crise e uma pesadíssima emergência sanitária que se transmutou para uma emergência econômica e social. Também em termos de ordem pública e do tecido social porque não sabíamos o que ia acontecer. Um desafio que pediu respostas complexas", acrescentou.

Para Conte, seu governo saiu do ápice da crise "usando um método que não confiava em improvisações", mas que teve "princípios de precaução e intervenções adequadas e proporcionais".

Agora, o premier ressalta que o principal desafio será "enfrentar os nós estruturais que impediram a Itália de crescer" ao longo dos últimos anos.

A Itália ficou em lockdown entre março e maio e, atualmente, quase a totalidade de seus serviços e indústrias está funcionando normalmente. .
   

Veja também:

Os navios gigantescos que a pandemia mandou para o desmanche
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade