PUBLICIDADE

Temporal, granizo, ventania e microexplosão em Pirassununga

Saiba o que ocorreu e qual a diferença entre tornado, microexplosão e macroexplosão?

11 out 2021 15h41
| atualizado às 15h48
ver comentários
Publicidade

Foto: Carmem Nunes - Pirassununga - SP

A região de Pirassununga registrou um forte temporal acompanhado de um fenômeno meteorológico que chamou a atenção da população e provocou bastante estragos pela cidade, no último sábado (9). Segundo a Defesa Civil houve queda de árvore, falta de energia elétrica e ruas ficaram cobertas pela água. 

Foto: Climatempo

Foto: Defesa Civil do Estado de SP - Pirassununga - SP 

Foto: Climatempo

Foto: Defesa Civil do Estado de SP - Pirassununga - SP  

De acordo com a meteorologista Daniela Freitas, linhas de instabilidade causaram fortes precipitações na região de Pirassununga, no interior de São Paulo com intensas rajadas de vento, descargas elétricas e granizo.

"Essas precipitações foram causadas por ventos em altos níveis de atmosfera que organizaram a umidade na região que somada com as temperaturas criaram essas fortes precipitações. Além disso, analisando imagens de satélite, radares meteorológicos e os estragos na região, podemos dizer que houve um fenômeno chamado de micro explosão na região. Como o município não possui estações meteorológicas do INMET, CEMADEN e nem mesmo CIIAGRO, há a necessidade de interpolação de dados para obtenção de informações meteorológica, ou seja, temos valores de precipitação na casa dos 35mm e rajadas de vento em torno de 80-85km/h na região", explica a meteorologista.

Como fica o tempo nos próximos dias?

Nos próximos dias, a chuva perde força na região de Pirassununga(SP). Nesta terça-feira (12), ocorrem algumas pancadas isoladas a partir da tarde intercalando períodos de sol. A temperatura começa a subir. Na quarta-feira, o tempo firme predomina sem expectativa de chuva.

Entenda o fenômeno meteorológico conhecido como microexplosão

As nuvens cumulonimbus podem provocar chuva torrencial, granizo, descargas elétricas atmosféricas e também ventos muito intensos e destruidores. Uma nuvem deste tipo pode gerar  tornados, downburst ou um microburst (microexplosão). Existe também macroburst (macroexplosão).

A identificação de cada um destes fenômenos exige uma análise técnica que é feita através da observação de imagens específicas das áreas de chuva feita por radares meteorológicos, por imagens da nebulosidade feita por satélites meteorológicos e pela análise do tipo de dano no local onde houve suspeita de ocorrência do vento com velocidade extrema.

Tornado, microexplosão, macroexplosão e dowburst são basicamente correntes de ar extremamente fortes que se desprendem da base de algumas nuvens cumulonimbus. 

A nuvem funil é gerada pelo vento intenso, com movimento espiralado, que sai da base da nuvem cumulonimbus. Visualizamos a forma do funil porque o vento intenso levanta poeira e outros objetos sólidos da superfície. O tornado, por exemplo, é a nuvem funil que toca o solo.

Veja qual a diferença entre tornado, microexplosão, macroexplosão e dowburst.

Foto: Climatempo
Climatempo
Publicidade
Publicidade