0

Calor extremo aumenta risco de partos prematuros

Estudo realizado na Carolina do Norte relaciona temperatura com o nascimento de bebês prematuros

4 out 2019
18h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Tradução de reportagem da NOAA

Os bebês que chegam cedo têm um risco maior de resultados negativos, às vezes até trágicos, de morte à atrasos no desenvolvimento que podem se estender durante infância. Os estados do sudeste dos EUA têm as maiores taxas de partos prematuros do país, e os pesquisadores ainda estão longe de conseguir explicar todos os fatores que contribuem para o aumento do risco que as mães da região enfrentam. Na Carolina do Norte, no entanto, um desses fatores é o calor extremo.

Foto: Climatempo

Com base nos dados de 2011 a 2015, esses mapas mostram a relação entre as temperaturas na Carolina do Norte - máximas diurnas (em cima), baixas noturnas (no meio) e índice médio de calor (abaixo) - e o aumento do risco do parto acontecer antes das 37 semanas de gravidez. Para cada um desses indicadores de calor, o aumento da temperatura foi associado a um risco maior em cada uma das regiões geográficas do estado (montanhas, piemonte e planície costeira). As temperaturas nos mapas são o limiar em que as chances de nascimento prematuro começaram a aumentar exponencialmente, indicando risco extremo.

Um dos padrões mais importantes que os pesquisadores descobriram é que o calor extremo à noite (temperatura mínima) geralmente representa um risco maior do que o calor extremo durante o dia (temperatura máxima ou índice médio de calor). Nos condados de montanhas, o risco de uma mulher sofrer trabalho de parto prematuro aumentou 6% quando as temperaturas mínimas da noite atingiram a faixa de 74°F a 75 °F (aproximadamente 23,3°C a 23,9°C), com risco exponencialmente crescente para cada aumento adicional de 2° na temperatura. No condado do Piemonte e através das planícies costeiras, o limiar de temperatura era um pouco mais alto do que nas montanhas, 75 °a 76 ° F (aproximadamente 23,9°C a 24,4°C), mas o aumento do risco era menor no Piemonte (1%) do que nas planícies costeiras (4%) .

O calor extremo é um perigo anual no Sudeste , apresentando riscos não apenas para mulheres grávidas, mas também para adultos mais velhos, crianças e pessoas que trabalham ao ar livre. É um risco que deve aumentar significativamente no próximo século, a menos que as emissões de gases de efeito estufa produzidos pelo homem sejam reduzidas. Os pesquisadores esperam que as conclusões deste estudo possam ser combinadas com informações sobre a frequência de exposição a esses eventos de calor em diferentes partes do estado para ajudar as autoridades de saúde pública e outras pessoas a desenvolver estratégias localmente adaptadas para melhor proteger as mulheres grávidas dos impactos do calor excessivo. 

Esta pesquisa foi financiada pelo Escritório do Programa Climático da NOAA, por meio de sua equipe de Ciências Integradas e Avaliações Regionais Carolinas (CISA), uma das 11 equipes patrocinadas pela NOAA em todo o país para ajudar a conectar as pessoas com a ciência e os serviços climáticos especificamente relevantes para a economia e as comunidades de sua região e infraestrutura.

Referências

Os dados foram analisados por meio de entrevistas semiestruturadas. O impacto da exposição ao calor na idade gestacional reduzida em mulheres grávidas na Carolina do Norte, 2011-2015. Revista Internacional de Biometeorologia. https://doi.org/10.1007/s00484-019-01773-3

Texto original da NOAA em inglês: 

Nota da Climatempo: todo o texto se referem aos Estados Unidos. Na frase "O calor extremo é um perigo anual no Sudeste...." , a palavra Sudeste deve ser entendida como Sudeste dos Estados Unidos, onde estão os estados da Carolina do Norte.

Climatempo
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade