2 eventos ao vivo

Sem justificativa técnica, Ibama compra 30 caminhonetes 4x4

Aquisição do equipamento tem um preço total de R$ 4,443 milhões

1 set 2020
19h07
atualizado às 19h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Ibama decidiu comprar 30 caminhonetes 4x4, ao preço total de R$ 4,443 milhões, sem apresentar nenhuma justificativa técnica que embase essa decisão. O presidente do órgão, Eduardo Fortunato Bim, assinou o pedido para compra, mas, conforme apurou o Estadão, o próprio Bim é favorável ao atual modelo de locação de veículos, que é utilizado pelo Ibama desde 2008.

Fachada do prédio do IBAMA em desuso, localizado no SQS 309 Bloco A, em Brasília (DF)
Fachada do prédio do IBAMA em desuso, localizado no SQS 309 Bloco A, em Brasília (DF)
Foto: Fátima Meira / Futura Press

O Estadão teve acesso ao termo de referência que foi fechado pela área de planejamento do Ibama, solicitando a aquisição das picapes, por meio de uma ata de adesão de preços já fechada em 2019 pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio). Isso significa que nem será necessário fazer uma nova licitação, mas pegar "carona" na ata de compras já aprovada pelo outro órgão.

A reportagem apurou ainda que a decisão de compra que está em andamento não conta com o apoio do próprio presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, mas que o pedido veio da Diretoria de Planejamento do órgão, e Bim mandou o processo de compra seguir adiante.

Há 12 anos o Ibama aluga caminhonetes para executar seu trabalho. O modelo permite redução de custos, à medida que o órgão federal paga pelos carros conforme o uso e fica isento de administrar itens como compra de gasolina e manutenção da frota, além de não ter de arcar com a depreciação desses bens.

Em sua justificativa para comprar 30 picapes, a coordenação-geral de administração deixa de explicar itens básicos como a área demandante e motivação da aquisição; a justificativa para o quantitativo e especificações; qual será a distribuição dos veículos; onde e como será feita a manutenção; por que não foi incluído sistema de rastreamento nos veículos; qual o impacto no contrato de locação de veículos; qual a motivação econômica por trás dessa medida.

Hoje o Ibama possui um contrato de locação nacional de 393 veículos, os quais pode utilizar conforme suas necessidades. Muitas vezes, essa frota sequer é acionada totalmente por falta de pessoal.

O Ibama foi questionado sobre o assunto, mas não se manifestou até a publicação desta reportagem. O Ministério do Meio Ambiente também não se posicionou.

No início de 2019, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, chegou a criticar publicamente o armazenamento de carros velhos e sucatas em depósitos do ICMBio e Ibama. Ocorre que esses carros velhos são, justamente, resultado de gestões anteriores a 2008, quando o órgão federal comprava frota. Desde então, no modelo de locação, esse problema deixou de existir.

O pagamento da locação vinha ocorrendo com recursos do Fundo Amazônia. Dessa vez, a compra das caminhonetes usaria parte dos recursos captados da Operação Lava Jato, destinados à proteção da Amazônia.

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade