0

'Agora tenho um nariz e posso sorrir': a vida após um transplante total de rosto

O jovem Cameron, de 26 anos, teve que passar pelo procedimento após se desfigurar em uma tentativa de suicídio

30 nov 2018
16h09
atualizado às 16h27
  • separator
  • comentários

O americano Cameron Underwood diz que não recebe mais tantos olhares e perguntas de estranhos na rua desde que foi submetido a um transplante de rosto.

A recuperação completa do jovem foi anunciada nesta semana
A recuperação completa do jovem foi anunciada nesta semana
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Eu tenho um nariz, uma boca, consigo sorrir, falar e pude voltar a comer alimentos sólidos."

Cameron voltou a falar dois anos depois de dar um tiro em si mesmo em uma tentativa de suicídio, em 2016.

Ele perdeu o nariz, a maior parte da mandíbula e quase todos os dentes no episódio.

"Sou muito grato ao transplante de rosto porque me dá uma segunda chance", disse ele em entrevista a diversos jornalistas em Nova York, na quinta.

"Eu pude voltar a fazer as coisas que amo, como ficar ao ar livre, praticar esportes e passar tempo com meus amigos e minha família." Underwood agora pensa em voltar a trabalhar e ter relacionamentos, formar uma família.

Cameron (à dir.), com membros de sua família, antes da tentativa de suicídio
Cameron (à dir.), com membros de sua família, antes da tentativa de suicídio
Foto: NYU Langone Health / BBC News Brasil

Um dia de cirurgia

Em janeiro deste ano, mais de cem profissionais de saúde, incluindo cirurgiões e enfermeiros, fizeram uma cirurgia de 25 horas em Cameron no hospital NYU Langone Health, em Nova York.

A recuperação completa do jovem foi anunciada nesta semana.

A operação aconteceu apenas 18 meses depois da tentativa de suicídio de Cameron - o hospital afirma que foi o período mais curto entre um ferimento e uma cirurgia do tipo na história americana.

Desde o primeiro transplante de rosto em 2005, mais de 40 foram realizados no mundo todo.

A cirurgia de Cameron foi realizada pelo médico Eduardo D. Rodriguez, que afirmou que a determinação do jovem a sobreviver foi tão importante para o sucesso do procedimento quanto os avanços médicos. "No fim, tudo depende do paciente. Cameron lutou muito por isso e fez os comprometimentos necessários."

Cameron foi salvo com enxertos após a tentativa de suicídio (esq.) e conseguiu retomar sua vida após o transplante de rosto (dir.)
Cameron foi salvo com enxertos após a tentativa de suicídio (esq.) e conseguiu retomar sua vida após o transplante de rosto (dir.)
Foto: NYU Langone Health / BBC News Brasil

A cirurgia de Cameron foi a terceira feita por Rodriguez. Segundo ele, o curto tempo em que Cameron teve que viver com seus ferimentos foi também um fator importante em sua recuperação.

A maioria das pessoas que receberam rostos em transplantes enfrentou isso por uma década ou mais.

"Ele não teve que lidar no longo prazo com muitas das questões psicológicas e sociais que com frequência levam as pessoas a sofrerem de depressão severa, abuso de álcool e drogas, além de outros comportamentos prejudiciais."

Na cirurgia, o médico transplantou e reconstruiu a mandíbula inteira do paciente, incluindo seus 32 dentes e as gengivas.

O teto e chão de sua boca, suas pálpebras inferiores e seu nariz foram substituídos, e sua língua precisou de reconstrução.

O hospital diz que a operação foi a mais tecnologicamente avançada do tipo, com ajuda de uma máscara facial feia em impressora 3D com base no rosto do doador.

'Meu filho está ajudando Cameron a ter uma vida melhor'

O doador do rosto foi o jovem Will Fisher, de 23 anos, campeão de xadrez e aspirante a escritor e cineasta.

"A morte do meu filho foi uma tragédia", diz sua mãe, Sally.

"Eu agradeço que, ao honrar sua decisão de ser doador, pudemos dar vida a outras pessoas. E sou grata especialmente ao fato de que Will e o doutor Rodriguez deram a Cameron e à sua família uma chance de voltar a sonhar."

"Ser parte dessa experiência foi uma fonte de força para mim durante uma época muito difícil. Acho que não teria sobrevivido à morte de Will se não fosse por Cameron."

Will se registrou como doador de órgãos antes de morrer
Will se registrou como doador de órgãos antes de morrer
Foto: NYU Langone Health / BBC News Brasil

Cameron fez uma homenagem a Will e agradeceu o apoio da família Fisher em sua fala na entrevista coletiva.

"Quero que Sally e sua família saibam o quanto minha família e eu somos gratos pelo presente que eles nos deram. E eu sempre irei honrar o legado de Will", diz ele.

Veja também:

Projeto Sirius: as mentes por trás da maior e mais complexa infraestrutura científica do Brasil

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade