PUBLICIDADE

Um mês depois, lua de mel de Bolsonaro com Centrão acaba

Planalto recebe cobranças públicas e ameaças veladas de abertura de impeachment e de Comissão Parlamentar de Inquérito

21 mar 2021
14h10 atualizado às 14h27
0comentários
14h10 atualizado às 14h27
Publicidade

A escalada de mortes na pandemia minou a aliança do presidente Jair Bolsonaro com o Centrão. Há pouco mais de um mês da vitória dos candidatos governistas nas eleições internas do Congresso, a parceria se alterou de um estado de "lua de mel" para cobranças públicas e ameaças veladas de abertura de impeachment e CPI para investigar o Planalto.

Um mês depois, lua de mel de Bolsonaro com Centrão acaba
Um mês depois, lua de mel de Bolsonaro com Centrão acaba
Foto: Wallace Martins / Futura Press

Na semana passada, o presidente preteriu a indicação da médica Ludhmila Hajjar, de perfil técnico, para substuir o general Eduardo Pazuello, demitido da Saúde. Ela foi endossada pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL). Ludhmila se guiava por uma cartilha de combate à covid-19 que seguia as orientações de especialistas mundiais. O presidente escolheu o cardiologista Marcelo Queiroga, amigo de seu filho senador, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Queiroga prometeu seguir a cartilha do Planalto.

Lira ficou contrariado. Numa videoconferência, falou em evitar "agonia" dos brasileiros e um "vexame internacional". Antes, ele se manifestava contra a abertura de um processo de impeachment de Bolsonaro. Chegou a dizer que "não era prioridade" e poderia "desestabilizar" o País. Na última semana, esquivou-se com outro argumento: não teve "tempo" de analisar os pedidos.

Queiroga assumiu o ministério sem poder contar com a "paciência" do Centrão, sem tempo para aprender e sem poder errar, avisou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), um porta-voz do grupo no poder. Ele e Lira também declararam publicamente que Bolsonaro não poderá contar com eles para impor medidas mais extremas. "É zero a chance", disseram os dois. Horas antes, Bolsonaro citou o termo "estado de sítio" numa conversa truncada com apoiadores na portaria do Palácio Alvorada em que criticava os governadores.

Veja também:

Bolsonaro: Lula está em 'plena campanha política':

 

Estadão
Publicidade
Publicidade