PUBLICIDADE

Política

Suspeito de tentar explodir bomba no aeroporto de Brasília se entrega em Mato Grosso

Alan Diego dos Santos Rodrigues se entregou na Delegacia da Polícia Civil de Comodoro (MT); ele teria levado o dispositivo até o aeroporto

17 jan 2023 - 18h45
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/Twitter

Investigado por suspeita de participação na tentativa de explosão de uma bomba próximo ao Aeroporto Internacional de Brasília, Alan Diego dos Santos Rodrigues, de 32 anos, se entregou na tarde desta terça-feira, 17, na Delegacia da Polícia Civil de Comodoro, na região oeste de Mato Grosso.

A bomba foi localizada à margem da pista de rolamento, no gramado de um canteiro central, no dia 24 de dezembro. O dispositivo foi desativado por equipes das polícias Militar, Civil e Federal, além do Corpo de Bombeiros. Alan teria sido o responsável por levar a bomba até a Estrada Parque Aeroporto.

Na semana passada, ele e outros dois, George Washington de Oliveira Sousa, preso no dia da localização do dispositivo, e Wellington Macedo de Souza, se tornaram réus após o juízo da 8ª Vara Criminal do Distrito Federal acatar a denúncia contra ele e mais dois investigados pelo crime.

O suspeito se apresentou aos delegados Ricardo Sarto e Eduardo Ribeiro, na Delegacia de Comodoro, onde foi cumprido o mandado de prisão preventiva, decretado pelo  Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a Polícia Civil, ele será encaminhado para uma unidade prisional, ainda não divulgada, onde aguardará manifestação da Justiça.

Suspeitos

George Washington foi preso na noite do dia 24 de dezembro, e confessou a montagem do explosivo. Segundo informou à Polícia, a ideia inicial era colocar o dispositivo em um caminhão de combustíveis, e que a ação era "plano com manifestantes (acampados no entorno) do Quartel-General do Exército para provocar decretação de estado de sítio e impedir a instauração do comunismo no Brasil".

Com ele, foram apreendidas duas espingardas, um fuzil, dois revólveres, três pistolas, centenas de munições, uniformes camuflados e outras cinco emulsões explosivas. Além do explosivo encontrado nos arredores do aeroporto, Sousa ainda revelou planos de instalar artefatos em postes de energia nas proximidades da subestação de distribuição em Taguatinga.

Wellington Macedo de Souza, que foi assessor da ex-ministra Damares Alves, também está envolvido no esquema, conforme aponta a Polícia Civil. Em setembro de 2021, ele foi preso pela Polícia Federal no inquérito aberto para investigar a organização de manifestações violentas no feriado de 7 de Setembro.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade