7 eventos ao vivo

Deputado que chamou Moro de "ladrão" é acusado pelo PSL

Glauber Braga, do PSOL, chamou o ministro da Justiça e Segurança Pública de "juiz ladrão" e foi acusado de quebra de decoro

11 jul 2019
21h18
atualizado às 21h33
  • separator
  • comentários

O presidente do PSL, Luciano Bivar, entrou com representação à Mesa Diretora da Câmara Federal por suposta quebra de decoro contra Glauber Braga (PSOL), por chamar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, de "juiz ladrão", enquanto prestava esclarecimentos sobre mensagens atribuídas a ele e à força-tarefa da Operação Lava Jato Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

A sessão, que durou mais de 7 horas, no dia 2, foi encerrada após a fala de Braga. "O senhor vai estar sim nos livros de História como um juiz que se corrompeu, como um juiz ladrão. A população brasileira não vai aceitar como fato consumido um juiz ladrão e corrompido que ganhou uma recompensa por fazer com que a democracia brasileira fosse atingida. É o que o senhor é: um juiz que se corrompeu. Um juiz corrupto. O mais corrupto da história do Brasil", disse.

Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro
02/07/2019
REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro 02/07/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

A declaração causou protestos de parlamentares da base aliada, que interpelaram o deputado do PSOL e, aos gritos, começaram a ofendê-lo.

Além da "ofensa a um membro do alto escalão do governo", o PSL afirma haver "a inexistência de situação de troca mútua de agressões, a denotar má fé no emprego das palavras, na tentativa de desestabilizar o oponente político, desferindo autêntico 'golpe-baixo'".

Defesa

O deputado Glauber Braga (PSOL/RJ) disse que considera que a representação do PSL "não vai ser recepcionada pelo Conselho de Ética (da Câmara)".

"Mas se for (recepcionada) eu vou utilizar de todas as prerrogativas para naquele espaço comprovar aquilo que já disse, inclusive utilizando as oito testemunhas a que tenho direito. Vai ser a comprovação de que Moro é um juiz ladrão. Eu não retiro uma palavra do que eu disse na Comissão de Constituição e Justiça."

Glauber questionou uma frase a ele atribuída na audiência de 2 de julho na CCJ. "Na minha fala eu não disse 'Moro é o mais corrupto da história', eu não proferi essas palavras. Como não saiu da minha boca é importante deixar claro isso. Mas não retiro ter dito 'Moro é um juiz ladrão'."

Veja também:

Estadão
  • separator
  • comentários
publicidade