PUBLICIDADE

PSDB paulistano vai apoiar Doria nas prévias do partido

Decisão sai um dia depois de dois ex-presidentes do PSDB anunciarem endosso ao nome do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite

31 ago 2021 15h22
| atualizado às 15h49
ver comentários
Publicidade
Governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista coletiva
REUTERS/Carla Carniel
Governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista coletiva REUTERS/Carla Carniel
Foto: Reuters

Em meio ao racha do PSDB, o diretório paulistano do partido decidiu, por unanimidade, apoiar o governador João Doria nas prévias do partido para a Presidência da República, marcadas para novembro deste ano.

Em nota assinada pelo presidente da agremiação, Fernando Alfredo, o diretório afirma que a decisão foi tomada na segunda-feira, 30, em reunião ordinária. "Todas as falas foram convergentes no reconhecimento da capacidade administrativa e na importância da luta do nosso governador João Doria para que a população brasileira tivesse acesso a vacina", diz o comunicado.

"O PSDB da Cidade de São Paulo tem orgulho de tê-lo como nosso companheiro e nosso apoio a sua candidatura é o primeiro passo dos muitos que daremos para, ao seu lado, resgatar a dignidade e o respeito que o Brasil merece", acrescenta.

A divulgação pública de apoio vem um dia depois de dois ex-presidentes do PSDB do Estado de São Paulo, Pedro Tobias e Antonio Carlos Pannunzio, anunciarem endosso ao nome do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias do partido.

Leite deve ser o principal adversário de Doria na disputa, já que o senador Tasso Jereissati (CE) caminha para compor com o gaúcho. O ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio também apresentou candidatura.

A nota ainda destaca a postura do governador paulista durante a pandemia de covid-19. "Ao longo dos últimos 17 meses, foi necessário adotar medidas consideradas por alguns 'muito duras', mas que se mostraram necessárias para garantir a proteção, e a vida, das pessoas", afirma. "As agressões e grosserias descabidas - vieram de quem foi eleito para governar e não para tentar dividir o Brasil, lamentável - nunca limitaram suas ações e lhe agradecemos por não desistir, por não se intimidar".

Estadão
Publicidade
Publicidade