PUBLICIDADE

Política

PF pagou segurança para diretor-geral em viagem a Londres, diz site

PF, porém, omitiu a informação, afirmando que as despesas da participação de Andrei Rodrigues foram pagas pela organização do evento

27 mai 2024 - 12h21
Compartilhar
Exibir comentários
Diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues elogiou decisão do STF
Diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues elogiou decisão do STF
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil / Estadão

A Polícia Federal (PF) arcou com as despesas de diárias de um segurança particular que acompanhou o diretor-geral da instituição, Andrei Rodrigues, durante uma viagem a Londres, no Reino Unido, em abril. Ele recebeu um total de R$ 9,5 mil dos recursos públicos. As informações são da Folha de S.Paulo. 

Os valores estão registrados no SIGA, o sistema do Senado Federal que contém todos os dados de pagamento do governo federal. As diárias para o Reino Unido variam entre US$ 350 (cerca de R$ 1.750) e US$ 460 (cerca de R$ 2.300).

Inicialmente, porém, a PF omitiu a informação, afirmando que as despesas da participação de Rodrigues no 1º Fórum Jurídico Brasil de Ideias, realizado no Reino Unido, foram pagas pela organização do evento. Além disso, ressaltou que o convite para a viagem foi feito pelo site Consultor Jurídico.

"A viagem foi sem ônus para União, tendo a organização do evento custeado passagem, em voo comercial, e hospedagem –no The Peninsula", afirmou a PF na ocasião.

No entanto, após a descoberta do gasto, a PF informou que "houve acompanhamento de seguranças, atividade que gerou despesas conforme legislação em vigor".

Além de participar do Fórum, Rodrigues também compareceu a uma reunião com o comissário-geral da polícia londrina, Peter O'Doherty, conforme apontado pela PF em nota. "Na ocasião, foram tratados temas como o intercâmbio de policiais em áreas de interesse de ambas as instituições, entre outros assuntos", apontou.

Além de Rodrigues, estiveram presentes no evento em Londres os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, e os ministros do governo Lula (PT) Ricardo Lewandowski (Justiça) e Jorge Messias (Advocacia-Geral da União).

O Terra entrou em contato com a PF para mais informações e aguarda retorno.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade