PUBLICIDADE

Política

Ministros de Lula: o que falta para definir os últimos nomes após Tebet e Marina

Presidente eleito discute como acomodar indicações do MDB, União Brasil e PSD a quatro dias da posse; há 16 pastas em aberto de um total de 37

28 dez 2022 - 05h10
(atualizado às 07h42)
Compartilhar
Exibir comentários
Lula anuncia nesta 16 ministros para o próximo governo
Lula anuncia nesta 16 ministros para o próximo governo
Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil / Estadão

A quatro dias da posse, o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ainda não conseguiu destravar as negociações políticas para completar a equipe ministerial. Há 16 pastas sem confirmação oficial. Lula tenta equilibrar os interesses do PT, as demandas dos aliados e o descontentamento dos partidos que ainda não foram contemplados na Esplanada dos Ministérios.

O petista tem adiado anúncios formais dos novos nomes e mantido conversas reservadas com lideranças partidárias. Nos últimos dias, elas envolveram três dos maiores partidos que prometem dar sustentação ao governo no Congresso: MDB, PSD e União Brasil.

Nesta terça-feira, 27, o futuro ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse que a senadora Simone Tebet (MDB-MS) aceitou o convite para comandar o Planejamento. Após longo impasse para encaixar Simone na equipe, ela sinalizou positivamente para assumir um ministério de perfil econômico e menos político, mesmo sem ter sob sua alçada bancos públicos ou o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Simone e Lula se reuniram em Brasília, mas o dia de ontem terminou sem pronunciamento sobre o assunto.

O PSD tinha três nomes ministeriáveis. O senador Carlos Fávaro (MT), provável titular da Agricultura, conforme mostrou o Estadão, é o mais consolidado. O senador Alexandre Silveira (MG), em fim de mandato, pode ser opção para Minas e Energia, com apoio do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), aliado de Lula. A bancada da Câmara havia indicado o deputado Pedro Paulo (RJ), amigo do prefeito do Rio Eduardo Paes, um dos fiadores de seu nome.

Pedro Paulo poderia assumir o Turismo, mas enfrenta resistências e teria sido vetado, segundo líderes do PSD, por causa de uma denúncia de agressão contra a ex-mulher. O deputado nega o crime, e o caso foi arquivado no Supremo. Até a futura primeira-dama Janja da Silva teria se desagradado com a sugestão.

A Rede Sustentabilidade deve ser contemplada com o Ministério do Meio Ambiente, cujo nome escolhido é o da ex-ministra Marina Silva. A ideia de conselheiros de Lula é que ela abrigasse nomes do PV, que também reclama ter sido preterido. Marina recusou assumir a posição nova sugerida por ela mesma de Autoridade Nacional de Segurança Climática, por entender que o cargo deve ser exercido por alguém com perfil técnico. Interlocutores de Lula dizem que não faria sentido Mariana, deputada eleita por São Paulo, licenciar-se da Câmara para assumir um cargo sem status de ministra.

Lideranças do Avante, por exemplo, disseram que Lula havia prometido um tratamento melhor à legenda, pelo fato de ter retirado a pré-candidatura a presidente do deputado André Janones (MG), que fez parte da guerrilha digital pró-Lula contra o bolsonarismo. O Avante pleiteava a nomeação do deputado Luis Tibé (MG), presidente da legenda, para o Ministério do Turismo. O Solidariedade também reclama espaços, mas deve ficar no segundo escalão, em postos ligados ao Ministério do Trabalho, cujo chefe será o petista Luiz Marinho. O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, é cotado para assumir a Previdência, mas a sigla resiste em aceitar a proposta.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade