PUBLICIDADE

Política

Jaques Wagner diz que Lula quer melhorar 'organização' do governo após derrota em vetos

Senador considera, no entanto, que o governo saiu vitorioso ao conseguir manter o veto ao calendário de pagamento de emendas impositivas (obrigatórias) que tornaria o Orçamento da União ainda mais engessado

29 mai 2024 - 14h55
Compartilhar
Exibir comentários

BRASÍLIA - O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), afirmou nesta quarta-feira, 29, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu uma melhora na "organização" das conversas de articulação política do Palácio do Planalto com o Congresso, após deputados e senadores derrubarem uma série de vetos do petista.

O líder do governo no Senado, senador Jaques Wagner, disse que Lula pediu ajustes na articulação com o Congresso. Foto: Pedro França/Agência Senado
O líder do governo no Senado, senador Jaques Wagner, disse que Lula pediu ajustes na articulação com o Congresso. Foto: Pedro França/Agência Senado
Foto: Pedro Franvßa/Pedro França/Agência Senado / Estadão

Em sessão conjunta nesta terça-feira, 28, Câmara e Senado decidiram rejeitar os vetos presidenciais à chamada "saidinha" de presos do regime semiaberto para ver familiares e à proibição de uso de recursos públicos para promover, por exemplo, ações contra a chamada "família tradicional", uma pauta cara ao bolsonarismo.

Mesmo assim, Wagner considera que o governo saiu vitorioso ao conseguir manter o veto ao calendário de pagamento de emendas impositivas (obrigatórias) que tornaria o Orçamento da União ainda mais engessado. O Executivo conseguiu fechar um acordo com os parlamentares após acelerar a liberação desses recursos, cruciais para irrigar bases eleitorais de deputados e senadores em ano de disputa por prefeituras.

"Acabei de sair da sala dele (Lula). Ele está absolutamente tranquilo. Ele tem 78 (anos), já apanhou, já comemorou, já chorou, já riu. Então, não assusta isso", afirmou o líder do governo, a jornalistas. "O balanço é de que a gente precisa melhorar a nossa organização nesse processo de governo e Legislativo", emendou.

De acordo com Jaques Wagner, melhorar a organização do governo envolverá uma "sistemática de acompanhamento mais próxima" do Congresso. Quando houver uma sessão de vetos, os articuladores do governo terão de se reunir uma semana antes e debater os acordos, exemplificou. "É preciso um afinamento melhor para que o que aconteceu aqui (Congresso) seja totalmente absorvido lá (Planalto)."

Como mostrou a Coluna do Estadão, o líder do governo Lula no Congresso, Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), entrou na mira do PT, que atribuiu ao senador a culpa pela derrota na sessão de vetos. Líderes da Câmara costumam reclamar que Randolfe não os procura para negociar as pautas prioritárias de Lula.

A manutenção do veto à "saidinha", por exemplo, chegou a ser tratada como "questão de honra" no governo, mas a articulação não funcionou, mesmo com apelos à bancada evangélica e envolvimento do ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, na tentativa de convencimento dos parlamentares.

"Todos sabemos que matéria econômica tramita de um jeito e matéria que eu vou chamar, genericamente, de costumes, tramita de outro. Qual é a base? Depende do tema", minimizou Jaques Wagner.

"Estamos em um período em que a política não é mais a política que a gente conhecia, de oito, dez anos atrás. A política está totalmente bipolarizada, fanatizada e alguns já estão em campanha eleitoral para 2026, seja no Senado, seja para a Presidência da República", emendou o líder do governo.

Jaques Wagner disse que a defesa que Lula fez da "saidinha" para os presos verem os familiares tem relação com o tempo em que o presidente ficou detido em Curitiba, entre 2018 e 2019, após condenações da Operação Lava Jato que foram posteriormente anuladas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

"O próprio presidente, é bom lembrar - e ele é ser humano, não é feito de aço -, já na sua vida recente, passou por algo semelhante, quando lhe foi vetada a hipótese de ele ir ao enterro do irmão. E, depois, foi no enterro do neto parecendo um terrorista de alta periculosidade. Achar que esse ser humano não tem sensibilidade para isso é pedir, na minha opinião, um pouco demais", disse o líder.

"Ele fez consciente o veto. A derrubada do veto, ok, não é uma questão programática para a gente, como a questão da Lei de Segurança Nacional não é programática para a gente, era uma questão mais partidária. O que era essencial para nós, foi mantido, as questões orçamentárias", acrescentou Wagner.

O líder do governo no Senado, senador Jaques Wagner, disse que Lula pediu ajustes na articulação com o Congresso.
O líder do governo no Senado, senador Jaques Wagner, disse que Lula pediu ajustes na articulação com o Congresso.
Foto: Pedro França/Agência Senado / Estadão
Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade