PUBLICIDADE

Política

Filipe Martins diz ser 'preso político' após ter novo pedido de soltura negado por Moraes

Filipe Martins está preso desde o dia 8 de fevereiro, quando foi alvo da operação Tempus Veritatis. Ex-assessor é apontado pela PF como integrante do 'núcleo jurídico' do grupo que tentou realizar um golpe de Estado após as eleições de 2022; ele nega

19 mai 2024 - 12h01
(atualizado às 12h11)
Compartilhar
Exibir comentários

Ex-assessor especial para Assuntos Internacionais do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Filipe Martins diz se considerar um "preso político". Ele teve um novo pedido de soltura negado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes no último dia 10.

"Após 100 dias não me surpreende. Essa manutenção somente explicita ainda mais algo que, para mim e para minha defesa, já estava claro desde o início: as razões de minha prisão não foram jurídicas, mas sim políticas. Sou um preso político", disse Martins, em nota enviada pela sua defesa ao Estadão neste domingo, 19. Procurado pela reportagem, o STF não se manifestou sobre o assunto.

Martins está preso preventivamente desde 8 de fevereiro, quando foi alvo da operação Tempus Veritatis. O ex-assessor é apontado pela Polícia Federal (PF) como integrante do "núcleo jurídico" do grupo que tentou realizar um golpe de Estado após as eleições de 2022.

"Caso o devido processo legal estivesse sendo observado, eu nem sequer teria sido preso, muito menos continuaria preso por tantos dias, mesmo com tantas provas favoráveis à minha soltura", afirmou via defesa, que tomou conhecimento da nova decisão na quarta-feira, 15.

Martins acompanhava Ernesto Araújo, então ministro das Relações Exteriores, em sessão do Senado Federal em 24 de março de 2021. Na ocasião, realizou um sinal com a mão que é geralmente feito por supremacistas brancos nos Estados Unidos - uniu o polegar e o indicador, e esticou os outros três dedos formando uma imitação das letras W e P, sigla do lema racista White Power (Poder Branco). O gesto foi transmitido pela TV Senado. O ex-assessor alegou estar arrumando a lapela do terno, mas a perícia do Senado desmentiu a afirmação.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade