PUBLICIDADE

CPI convoca ex-coordenador na Saúde para falar sobre Covaxin

Documentos recebidos pela CPI apontam que o ex-coordenador teria "atuado fortemente" pela entrada da vacina indiana Covaxin no Brasil

23 jun 2021 11h05
| atualizado às 11h11
ver comentários
Publicidade

A CPI da Covid aprovou nesta quarta-feira (23) a convocação do Tenente-coronel Alex Lial Marinho, ex-coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, assim como a quebra de sigilo telefônico, fiscal, bancário e telemático de Marinho. Documentos recebidos pela CPI apontam que o ex-coordenador teria "atuado fortemente" pela entrada da vacina indiana Covaxin no Brasil.

Covaxin é produzida pelo laboratório Bharat Biotech, representado no Brasil pela Precisa Medicamentos; compra do governo entrou na mira da comissão
Covaxin é produzida pelo laboratório Bharat Biotech, representado no Brasil pela Precisa Medicamentos; compra do governo entrou na mira da comissão
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado / Estadão Conteúdo

A compra do imunizante é investigada pela comissão. Como mostrou o Estadão, o Executivo adquiriu o imunizante por um preço 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela própria fabricante.

Com o mesmo objetivo de apurar as circunstâncias da negociação, a CPI aprovou o convite para que o deputado Luis Miranda (DEM-DF), e seu irmão, Luis Ricardo Fernandes Miranda, prestem depoimento à comissão. Luis Ricardo é servidor do Ministério da Saúde.

De acordo com fontes, Luis Miranda levou a denúncia de um suposto esquema de corrupção envolvendo a compra da vacina Covaxin no dia 20 de março para o presidente da República, Jair Bolsonaro. Apesar do aviso, o governo seguiu com o contrato. O irmão dele é o servidor do Ministério da Saúde que depôs ao Ministério Público Federal (MPF) sobre a compra da vacina e citou Alex Lial Marinho.

Nesta quarta-feira, a CPI também aprovou a convocação da Diretora da Diretoria de Integridade (DINTEG), Carolina Palhares Lima. "A Diretoria de Integridade foi criada com o objetivo de fiscalizar, internamente, os atos do Ministério da Saúde. Em 2020 já havia enviado ao TCU a informação sobre irregularidades na compra de kits de reagentes e insumos utilizados em testes de Covid-19", justificou o senador Humberto Costa (PT-PE).

A CPI ainda aprovou a convocação de Thais Amaral Moura, assessora do Palácio do Planalto, que foi apontada como responsável pelos requerimentos apresentados por aliados do presidente Jair Bolsonaro na CPI da Covid.

Estadão
Publicidade
Publicidade