1 evento ao vivo

Bolsonaro pressiona TRF-1 para investigar advogado de Adélio

OAB diz que é ilegal investigar defensor por sua atuação profissional, e conseguiu uma liminar impedindo a manobra

16 set 2019
10h48
atualizado às 11h02
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro comentou no Twitter o julgamento que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) fará na quarta-feira, 18, sobre o pedido para serem retomadas as investigações sobre Adélio Bispo de Oliveira, o homem que esfaqueou o então candidato à Presidência há um ano, durante a campanha eleitoral, em Juiz de Fora, no interior de Minas Gerais.

"TRF-1 pode, nessa quarta-feira, ser decisivo para chegar aos mandantes da tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro", escreveu o presidente na rede social. O mandatário se recupera, no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, de uma cirurgia realizada no dia 8 de setembro para correção de uma hérnia incisional. É o quarto procedimento cirúrgico decorrente do atentado.

Em março deste ano, o TRF-1 suspendeu a análise do material apreendido em endereços do advogado de Adélio Bispo, Zanone Manuel de Oliveira, a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que argumentou ser ilegal investigar um advogado por sua atuação profissional. Em abril, a Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão.

"O material apreendido pela PF no endereço de um dos advogados do esfaqueador ainda não foi periciado por decisão liminar concedida para OAB", continuou Bolsonaro no Twitter. Fazem parte do colegiado que vai julgar o pedido os desembargadores Olindo Menezes, Néviton Guedes, Saulo Bahia, Mônica Sifuentes, Ney Bello, Cândido Ribeiro e Hilton Queiroz.

"Não desejamos descobrir o conteúdo da defesa, mas elucidar o crime, como vítima e por questão de segurança nacional", completou Bolsonaro na rede social.

Recuperação

Na noite de sábado, 14, o presidente passou de uma dieta líquida para uma dieta cremosa. Já na noite de domingo, 15, os médicos começaram a diminuir a alimentação endovenosa (diretamente na veia). Na semana passada, Bolsonaro chegou a usar uma sonda nasogástrica para retirada de ar e líquidos do estômago e do intestino, após uma distensão abdominal. Ele deve deixar o hospital na tarde desta segunda-feira (16).

Visitas

No domingo, o presidente recebeu a visita do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e de sua esposa, Rosângela Moro. "O homem é forte", escreveu Moro no Twitter. Já no sábado, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi ao Hospital Vila Nova Star, mas a assessoria do Palácio do Planalto não confirmou se ele conseguiu falar com o presidente. No mesmo dia, Bolsonaro recebeu a visita de parentes.

Veja também

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade