PUBLICIDADE

Bolsonaro ataca proposta e ameaça reagir "fora das 4 linhas"

Semipresidencialismo prevê a eleição de um primeiro-ministro pelo Congresso que dividiria o poder com o presidente; ideia é apoiada por Lira

22 nov 2021 11h57
| atualizado às 12h13
ver comentários
Publicidade
Jair Bolsonaro
REUTERS/Adriano Machado
Jair Bolsonaro REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta segunda-feira, 22, o projeto de semipresidencialismo, defendido pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), seu aliado, e insinuou que a proposta seria "jogar fora das 4 linhas" - o que poderia fazê-lo também para combater a proposta.

Perguntado sobre o tema por um apoiador na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que a ideia é "idiota" e que não vai chegar a lugar algum. "Tem coisa que é tão idiota que não dá nem para discutir. Eu não vou começar a discutir com ninguém sobre isso. Agora eu falo que eu jogo dentro das quatro linhas. Quem sair fora aí eu saio, daí eu sou obrigado a combater o cara fora das quatro linhas", afirmou.

Bolsonaro usa a expressão para afirmar que tem atuado dentro dos limites da Constituição e que nunca tentou planejar um golpe de Estado, como o acusam.

A proposta de semipresidencialismo prevê a eleição de um primeiro-ministro pelo Congresso que dividiria o poder com o presidente eleito, em uma mistura brasileira entre o presidencialismo e o parlamentarismo. A ideia foi defendida por Arthur Lira diversas vezes.

"A previsão de uma dupla responsabilidade do governo, ou de uma responsabilidade compartilhada do governo, que responderia tanto ao presidente da República quanto ao Parlamento, pode ser a engrenagem institucional que tanto nos faz falta nos momentos de crises políticas mais agudas" disse o presidente da Câmara no último dia 15, durante um seminário jurídico em Lisboa.

No início deste ano, Lira chegou a falar em apresentar uma proposta para adotar a ideia a partir de 2026, mas não foi adiante.

Bolsonaro acusou os defensores da proposta, sem citar nomes, de quererem "acobertar outras coisas".

"Por que lançam isso daí? Para acobertar outras coisas. O que muita gente está preocupada é que acabou a mamata", afirmou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade