0

Após renúncia de Evo, Bolsonaro defende voto impresso

Presidente da Bolívia renunciou após três semanas de protestos em uma eleição com suspeitas de fraudes

10 nov 2019
19h49
atualizado às 20h39
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fez uma defesa da aplicação do voto impresso no Brasil, em sua primeira manifestação pública a respeito da saída de Evo Morales do posto de presidente da Bolívia. Morales renunciou pela televisão na tarde deste domingo, 10, e se disse vítima de um golpe.

"Denúncias de fraudes nas eleições culminaram na renúncia do Presidente Evo Morales", escreveu o presidente no Twitter. "A lição que fica para nós é a necessidade, em nome da democracia e transparência, de contagem de votos que possam ser auditados. O voto impresso é sinal de clareza para o Brasil!", afirmou.

Jair Bolsonaro.
Jair Bolsonaro.
Foto: Isac Nóbrega / PR

Bolsonaro foi autor de uma proposta legislativa que levou à aprovação do voto impresso nas eleições no País, medida que foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A saída de Evo Morales se deu após três semanas de protestos contra sua polêmica reeleição e menos de uma hora depois de perder o apoio das Forças Armadas.

"Renuncio a meu cargo de presidente para que (Carlos) Mesa e (Luis Fernando) Camacho não sigam perseguindo dirigentes sociais", disse Evo, referindo-se aos líderes opositores que convocaram protestos contra ele desde o dia seguinte às eleições de 20 de outubro. Morales era o presidente latino-americano há mais tempo no poder. Além de Evo, o vice-presidente Álvaro García Linera também anunciou sua demissão. "O golpe de Estado se consumou", afirmou.

Irregularidades

Pela manhã, Morales havia anunciado a convocação de uma nova eleição, em substituição à ocorrida em 20 de outubro, e também havia prometido mudança total do corpo eleitoral. Foi uma reação após tomar conhecimento de um relatório preliminar da Organização dos Estados Americanos (OEA) que encontrou irregularidades no pleito e recomendou novas eleições.

"Decidi renovar o Supremo Tribunal Eleitoral e convocar novas eleições. Todos temos que pacificar a Bolívia", disse Morales em comunicado à imprensa, sem mencionar o relatório da OEA.

A comissão de auditoria da OEA apontou que o "processo estava em desacordo com as boas práticas e os padrões de segurança não foram respeitados", segundo o secretário Luis Almagro, em sua conta no Twitter. "Por conta das irregularidades observadas, não é possível garantir a integridade dos dados e dos resultados", disse Almagro.

Itamaraty

Até o momento, o Ministério das Relações Exteriores ainda não comentou a renúncia. A última manifestação foi feita antes do anúncio de Evo Morales de que estava deixando o cargo. Em nota pública, o Itamaraty disse que era "pertinente" a realização de novas eleições presidenciais na Bolívia e cobrou "absoluta transparência e legitimidade" no novo pleito.

A nota do Itamaraty, ao mencionar o relatório da OEA, afirmou "profunda preocupação" do governo brasileiro "com as graves irregularidades ali apontadas, que desqualificam o pleito e levam à necessidade de convocação de um novo processo eleitoral".

O ministério acrescentou que são "legítimas as manifestações do povo" e define como "pertinente" a convocação de novas eleições, "após a constatação das graves irregularidades". "O novo sufrágio deve ser presidido por autoridades reconhecidas por sua honorabilidade e credibilidade para garantir o soberano desejo dos bolivianos, e contar com observação internacional em todas as etapas do processo", disse ainda na nota o Itamaraty, que ainda não se manifestou após a renúncia.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade