PUBLICIDADE

Após cobrar sobre vacinação, PGR quer saber de uso de verbas

Todos os 27 governadores também deverão explicar o uso de verbas no enfrentamento da pandemia

19 abr 2021
16h09 atualizado às 16h23
0comentários
16h09 atualizado às 16h23
Publicidade

Além de terem sido cobrados pela Procuradoria Geral da República (PGR) a apresentar informações sobre o ritmo de vacinação contra a covid-19, todos os 27 governadores também deverão explicar o uso de verbas no enfrentamento da pandemia.

Os governantes receberam ofícios da PGR após a instalação da CPI da covid no Senado, que vai investigar a atuação e possíveis omissões do governo Jair Bolsonaro na crise sanitária.

Procurador-geral da República, Augusto Aras, em Brasília
02/10/2020 REUTERS/Adriano Machado
Procurador-geral da República, Augusto Aras, em Brasília 02/10/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Foram requisitados esclarecimentos complementares depois que uma primeira leva de informações foi considerada 'insuficiente' ou 'incompleta' pela Câmara de Direitos Sociais e Fiscalização de Atos Administrativos em Geral do Ministério Público Federal.

Nos documentos, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo envia perguntas relacionadas, por exemplo, ao fechamento de hospitais de campanha montados para tratar pacientes com covid-19 e aos gastos com insumos e equipamentos das estruturas desativadas.

Lindôra também pede esclarecimentos sobre o uso de repasses federais, na linha das acusações feitas por Bolsonaro que, em guerra com governadores e prefeitos desde o início da pandemia, levantou desconfiança sobre supostos desvios de recursos da Saúde. No final de fevereiro, o presidente publicou nas redes sociais uma lista com valores enviados pela União para cada Estado em 2020.

A subprocuradora é braço direito do chefe do Ministério Público Federal, Augusto Aras, que vem sendo criticado nos bastidores da PGR por, na visão de adversários, tentar se cacifar para a vaga que será aberta no Supremo Tribunal Federal em julho, com a aposentadoria do decano Marco Aurélio Mello.

Estadão
Publicidade
Publicidade