PUBLICIDADE

Ministério da Saúde antecipa vacinação contra Covid de militares e forças de segurança

31 mar 2021
19h03 atualizado às 19h09
0comentários
19h03 atualizado às 19h09
Publicidade

O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira a antecipação da vacinação das Forças Armadas e de parte das forças de segurança e salvamento, com envio de doses nesta semana aos Estados e municípios exclusivamente para a imunização de integrantes desses segmentos que estejam atuando diretamente nas ações de enfrentamento à pandemia.

Funcionária prepara dose de vacina contra a Covid-19. 29/03/2021. REUTERS/Ueslei Marcelino.
Funcionária prepara dose de vacina contra a Covid-19. 29/03/2021. REUTERS/Ueslei Marcelino.
Foto: Reuters

Serão vacinados trabalhadores envolvidos no atendimento, transporte e resgate de pacientes, bem como aqueles que estejam atuando nas ações de vacinação e de vigilância das medidas de distanciamento social, com contato direto e constante com o público, informou o minisitério.

"Decidimos antecipar a vacinação de uma parcela desse grupo seguindo critérios que atendam o Plano Nacional de Vacinação (PNI) contra a Covid-19, levando em conta a função que cada agente exerce para o combate à pandemia", disse a coordenadora-geral do PNI, Francieli Fontana, em comunicado da pasta.

As forças de segurança e salvamento e as Forças Armadas já fazem parte dos grupos prioritários definidos no PNI, que somam no total quase 80 milhões de pessoas. Atualmente, estão sendo vacinados os primeiros grupos de prioridade, que incluem principalmente idosos e profissionais de saúde da linha de frente.

A campanha de imunização do Brasil tem sofrido desde o início, em janeiro, com a escassez de vacinas. De acordo com o Ministério da Saúde, 14,4 milhões de pessoas foram vacinadas com a primeira dose até o momento, o equivalente a 6,9% da população brasileira.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade