1 evento ao vivo

João de Deus é condenado a mais 40 anos de prisão

21 jan 2020
08h17
  • separator
  • 0
  • comentários

Médium é considerado culpado por abusos sexuais contra cinco mulheres. Esta é a terceira sentença contra o médium - a segunda com relação a crimes sexuais -, cujas penas somam 63 anos e 4 meses de prisão.O médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, foi condenado nesta segunda-feira (20/01) a 40 anos de prisão por abusos sexuais contra cinco mulheres. Esta é a terceira sentença contra o médium - a segunda com relação a crimes sexuais. Ele nega as acusações.

Os crimes ocorreram durante atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, a 90 quilômetros de Goiânia. A defesa tem dez dias para apresentar recurso.

A sentença é da juíza da comarca de Abadiânia, Rosângela Rodrigues dos Santos. O processo está em segredo de Justiça. Junto com as outras duas condenações, as penas para João de Deus já somam 63 anos e 4 meses de prisão.

A juíza considerou como atenuante a idade do médium, que está com 77 anos. Mas isso foi anulado pelo agravante de ele ter cometido a violência sexual em razão de seu ofício, se aproveitando da fé das vítimas para praticar os abusos.

João de Deus está preso desde dezembro de 2018 no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Em 19 de dezembro passado, ele recebeu sua primeira condenação penal do tipo, a 19 anos e quatro meses de reclusão, por quatro estupros.

Antes, em novembro passado, já tinha recebido sentença de quatro anos em regime semiaberto por posse ilegal de arma de fogo. O médium responde ainda por outras nove acusações de crimes sexuais e uma por corrupção e falsidade ideológica.

MD/ebc/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| App | Instagram | Newsletter

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade