PUBLICIDADE

Explosivo em Brasília: o que se sabe sobre o caso e a preocupação com a posse de Lula

Homem de 54 anos preso no DF é, segundo a Polícia Civil, apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), morador do Pará, e viajou à capital para participar de atos no quartel-general do Exército.

26 dez 2022 - 11h16
(atualizado às 13h55)
Compartilhar
Exibir comentários
Esquadrão antibomba da polícia foi chamado devido a uma suspeita de artefato explosivo em Brasília
Esquadrão antibomba da polícia foi chamado devido a uma suspeita de artefato explosivo em Brasília
Foto: Reuters / BBC News Brasil

Indicado como futuro ministro da Justiça, Flávio Dino disse que os procedimentos da cerimônia de posse de Luiz Inácio Lula da Silva serão reavaliados para fortalecer a segurança e "o combate aos terroristas e arruaceiros será intensificado".

A mensagem de Dino, publicada em rede social no dia do Natal, veio depois que um homem de 54 anos foi preso no Distrito Federal após a polícia encontrar e detonar artefato explosivo que estava em um caminhão na capital.

A seguir, entenda o que se sabe até agora sobre o caso.

Bomba é encontrada em caminhão em Brasília

A Polícia Militar do Distrito Federal disse que foi acionada por volta de 8h do sábado (24) para atender uma ocorrência envolvendo suposto artefato explosivo e que, no local, fez a desativação. Isso ocorreu em via que dá acesso ao Aeroporto de Brasília.

Depois, o material foi entregue para perícia pela Polícia Civil.

Segundo a imprensa local, quem chamou a polícia foi o motorista do caminhão onde o artefato estava - e a participação dele no crime foi descartada pela Polícia Civil.

Pelo Twitter, Dino disse que foi encontrado no material "emulsão de pedreira" (produto explosivo e usado por mineradoras em escavações). Ele disse que a equipe de transição acompanha o caso, e que investigações estão sendo feitas pela Polícia Civil do Distrito Federal.

Quem é o homem investigado?

No sábado, a polícia prendeu George Washington de Oliveira Sousa, de 54 anos, em um apartamento alugado no Sudoeste.

Sousa foi autuado em flagrante por terrorismo, depois de confessar que montou artefato explosivo instalado em caminhão de combustível. A polícia apura a participação de outras pessoas.

Depois, a Justiça do Distrito Federal determinou que ele permaneça preso por tempo indeterminado.

Segundo a Polícia Civil, Sousa é empresário e viajou do Pará a Brasília para participar de atos realizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) defronte ao quartel-general do Exército.

Na residência de Souza a polícia encontrou diversas armas e munições, segundo a imprensa local - espingardas, cartelas de munição, além de revólveres, artefatos explosivos e uniformes camuflados.

Embora ele tenha alegado que tirou licenças de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), também segundo a imprensa local, os documentos estavam irregulares e ele também foi autuado por posse e porte ilegal de arma de fogo e de uso restrito.

Segundo a Folha de S.Paulo, Sousa afirmou à Polícia Civil que as "palavras" de Bolsonaro o encorajaram a adquirir o arsenal de armas apreendido em seu poder.

A reportagem atribui a seguinte fala ao investigado: "O que me motivou a adquirir as armas foram as palavras do presidente Bolsonaro, que sempre enfatizava a importância do armamento civil dizendo o seguinte: 'Um povo armado jamais será escravizado'."

De acordo com a reportagem Souza teria relatado aos policiais planos de um outro ataque coordenado com objetivo de instaurar um caos na capital federal.. Esses planos envolveriam um segundo ataque à bomba em uma estação de energia visando interromper o fornecimento de eletricidade.

A BBC News Brasil não localizou a defesa de Sousa.

'A posse do presidente Lula ocorrerá em paz', escreveu o futuro ministro Flávio Dino no Twitter
'A posse do presidente Lula ocorrerá em paz', escreveu o futuro ministro Flávio Dino no Twitter
Foto: EPA / BBC News Brasil

O que disse o governo Bolsonaro?

O atual ministro da Justiça, Anderson Torres, publicou no Twitter que o ministério "oficiou a @policiafederal para acompanhar a investigação e, no âmbito de sua competência, adotar as medidas necessárias quanto ao artefato encontrado ontem (24) em Brasília". Em seguida, escreveu: "Importante aguardarmos as conclusões oficiais, para as devidas responsabilizações".

Até a manhã desta segunda-feira (26/12), o presidente Jair Bolsonaro não se pronunciou sobre o caso.

O que diz a Lei antiterrorismo

Segundo a Lei antiterrorismo, é um ato de terrorismo "usar ou ameaçar usar, transportar, guardar, portar ou trazer consigo explosivos, gases tóxicos, venenos, conteúdos biológicos, químicos, nucleares ou outros meios capazes de causar danos ou promover destruição em massa". A pena prevista na lei é de reclusão de 12 a 30 anos, além das sanções correspondentes à ameaça ou à violência.

- Este texto foi publicado em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-64094923

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade