PUBLICIDADE

SP: PM conclui que policiais erraram ao não fazer teste do bafômetro em motorista de Porsche

Análise de câmeras corporais da PM constatou falha de procedimento dos policiais que atenderam à ocorrência, diz SSP

23 abr 2024 - 17h48
(atualizado às 18h41)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
A SSP confirmou que os policiais erraram ao não submeter Fernando Sastre de Andrade Filho, dono do Porsche, ao bafômetro ainda no local do acidente, que matou o motorista Ornaldo da Silva Viana.
Policiais erraram ao não submeter Fernando Sastre de Andrade Filho ao bafômetro após acidente que culminou na morte de motorista de aplicativo em SP, diz sindicância
Policiais erraram ao não submeter Fernando Sastre de Andrade Filho ao bafômetro após acidente que culminou na morte de motorista de aplicativo em SP, diz sindicância
Foto: Reprodução/Band

Uma sindicância realizada pela Polícia Militar constatou que houve falha no procedimento dos policiais que atenderam ao acidente provocado por Fernando Sastre de Andrade Filho, de 25 anos, dono do Porsche que colidiu e matou o motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana, de 52 anos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), os PMs erraram ao não submeter Andrade Filho ao teste do bafômetro ainda no local do acidente.

Em nota enviada nesta terça-feira, 23, a SSP afirmou que a sindicância analisou as câmeras corporais dos PMs que atenderam à ocorrência, na madrugada do dia 31 de março. A corporação, então, identificou que a equipe errou ao não submeter Andrade Filho ao teste do bafômetro. Ele foi liberado do local em seguida. 

Diante da constatação do erro no procedimento, foi aberto um processo de responsabilização dos policiais envolvidos no caso, afirmou a SSP. Os laudos da perícia e as imagens das câmeras corporais foram entregues à Polícia Civil, que investiga o caso. 

A pasta apontou, ainda, que está sendo realizada uma reconstituição em 3D do acidente, o que deverá ajudar as investigações, já em fase final. O caso continua em segredo de Justiça, ressaltou a SSP. 

Acidente na Avenida Salim Farah Maluf em que um Porsche atingiu e destruiu um Sandero
Acidente na Avenida Salim Farah Maluf em que um Porsche atingiu e destruiu um Sandero
Foto: Divulgação/Policia Civil / Estadão

Mais cedo nesta terça-feira, o Ministério Público de São Paulo confirmou que Andrade Filho dirigia a 156 km/h quando colidiu contra o carro de Ornaldo, que não resistiu aos ferimentos. A velocidade máxima permitida na Avenida Salim Farah Maluf, onde aconteceu o acidente, é de 50 km/h, três vezes menor que a velocidade do condutor da Porsche. A informação é do laudo da Polícia Técnico-Científica. 

A velocidade do carro de luxo no momento da colisão foi estimada pelos peritos após a análise de imagens de câmeras de segurança, que registraram o ocorrido. No entanto, o laudo apresentado é apenas um dos documentos a serem entregues para a Polícia Civil. O Instituto de Criminalística (IC) e o Instituto Médico Legal (IML) também devem preparar conclusões.

Laudo conclui que Porsche estava a 156 km/h no momento do acidente em SP:

Relembre o caso

No dia 31 de março, o empresário Fernando Sastre de Andrade Filho, de 25 anos, conduzia um Porsche, avaliado em mais de R$ 1 milhão, quando bateu na traseira de um Renault Sandero. O acidente matou o motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana, de 52 anos, que diriga o carro popular.

A batida aconteceu por volta das 2 horas da manhã na Avenida Salim Farah Maluf, no Tatuapé, zona leste de São Paulo. Depois de colidir com o veículo de Ornaldo, Fernando fugiu do local. Ele estava com um amigo, o estudante de medicina Marcus Vinícius, no momento do ocorrido. O jovem ficou gravemente ferido e chegou a ser internado. 

Já o motorista de aplicativo Ornaldo não teve a sorte de sobreviver à colisão. O condutor do Sandero até chegou a ser socorrido em parada cardiorrespiratória para o Hospital Tatuapé, mas morreu por conta de "traumatismos múltiplos".

Justiça nega prisão de motorista de Porsche que atingiu Sandero e causou morte de homem em SP:

Uma informação importante para as investigações é sobre o possível consumo de bebidas momentos antes da batida. Isso porque uma comanda a qual a TV Globo teve acesso mostra que o jovem chegou a gastar R$ 600 em consumo de bebidas alcóolicas em um restaurante da capital paulista pouco antes do acidente.

A emissora também divulgou imagens de câmera de monitoramento que registraram o momento em que a garçonete de um restaurante retira os copos de bebidas alcoólicas da mesa de Andrade Filho.

O empresário foi até o local com a namorada, o amigo Marcus e a companheira dele, Juliana. Depois de ficar três horas no estabelecimento, os dois casais seguiram para uma casa de pôquer. Segundo os depoimentos coletados pela Polícia Civil, eles ficaram cerca de 2h30 na casa de jogos, até que começou uma discussão na saída.

Vídeos mostram motorista de Porsche deixando casa de pôquer antes de acidente fatal em SP:

Para a polícia, Marcus e Juliana relataram que Fernando bebeu e que a discussão era para que ele não dirigisse, pois estava “alterado”. No entanto, o motorista do carro de luxo e a namorada negam a informação. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade